alexametrics
03.02.2011 | 10h36


POLÍCIA

Policiais militares são acusados de agredir cidadãos

TANIA RAUBER      10h28
A GAZETA

Dois casos de agressão cometidos por policiais foram denunciados à Corregedoria da Polícia Militar (PM). Um deles ocorreu em Várzea Grande, envolvendo o soldado Maurício Alves da Guia, que já foi preso no ano passado acusado de violência doméstica contra a mulher. Desta vez, ele teria se envolvido em uma briga com 2 jovens de 18 e 20 anos no bairro Vila Artur.

Segundo o boletim de ocorrência, registrado por uma guarnição da PM, uma mulher teria pedido ajuda para a equipe que passava pelo local. Eles pararam e viram o soldado em luta corporal com o jovem Douglas da Silva Pereira, 18. Este relatou que entrou na briga quando viu o policial agredindo o irmão dele, William da Silva Pereira, 20.

As agressões contra William foram graves. Ele foi socorrido pelo Serviço Móvel de Urgência e Emergência (Samu) e encaminhado ao Pronto-Socorro de Cuiabá com suspeita de traumatismo.

Douglas e o pai dele Sebastião França Pereira, 43, foram detidos. Policiais relataram que o jovem teria resistido à prisão, sendo necessário o uso de força para contê-lo.

Já o soldado Maurício da Guia teria foragido do local no momento da confusão. É o que a guarnição relatou no boletim de ocorrência. Os motivos da briga entre os 2 irmãos e o policial não foram informados.

Pedra 90

O segundo caso ocorreu no bairro Pedra 90, em Cuiabá. O comerciante José Vitorino da Silva e o filho dele, de 17 anos, teriam sido agredidos verbalmente e fisicamente por um major e um cabo da 2ª Companhia de Polícia do bairro.

José Vitorino relatou, em entrevista à TV Record, que estava no estabelecimento com o filho quando uma viatura parou e mandou alguns jovens que estavam em frente ao local colocarem as mãos na parede.

"Eu disse que meu filho não precisava porque estava trabalhando comigo. Eles entraram na loja e disseram "cala boca vagabundo". Me puxaram pelo colarinho da camisa e aí começaram as agressões".

O comerciante se diz injustiçado e humilhado, já que mora e trabalha há 20 anos no local. "Eles pegaram meu documento de identidade e viram que sou natural da Paraíba, aí disseram "Oh Paraíba, tu veio dos quinto dos inferno para incomodar nós aqui".

Pai e filho foram colocados na viatura e encaminhados à Central de Flagrantes. O menor conta que recebeu várias agressões da guarnição, além de xingamentos e foi colocado em uma cela junto de outros presos.

As acusações contra os PMs serão investigadas pela Corregedoria.

 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

sergio mendes  25.02.12 16h02
Qeuro comentar, que a minha NKPC, é vitima desses policias do Pedra 90, pois os mesmo acredi ela com tapas e puchões de cabelos, é só a minha amiga sentar na praça ou em alguma lanchote o cabo ja vem amando do Major espanca-la preciso de ajuda. O nome do cabo é Marcelo Ajuda-nos aqui no Pedra 90.aqui tem tb gernete boa e de familia Precisamos de ajuda pelo Amor de Deus ér um apelo

Responder

0
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO

Bebe Prime