19.05.2011 | 18h46


POLÍCIA

Pistoleiros que mataram Sávio Brandão voltam para Cuiabá

G1 12h10

Os ex-policiais militares Hércules Araújo Agostinho e Célio Alves de Souza devem ser transferidos para Cuiabá ainda esta semana. Os dois estão presos no Presídio Federal de Porto Velho (RO) e serão trazidos para a Penitenciária Central do Estado, antigo presídio Pasocal Ramos.

De acordo com o tenente coronel José Antônio Gomes Chaves, secretário adjunto de Administração Penitenciária, a permanência dos ex-PMs em Mato Grosso será temporária. Eles devem ficar presos em Cuiabá até que seja definida a nova unidade de segurança máxima para onde serão encaminhados.

Os dois ex-PMs foram condenados por vários assassinatos, incluindo o do empresário Domingos Sávio Brandão de Lima Júnior, morto a tiros em frente ao jornal do qual era proprietário, em 2002. Célio Alves foi condenado, no dia 17 de junho de 2005, a 17 anos e seis meses de prisão por participar do assassinato do empresário. João Leite, também em 2005, foi condenado a 16 anos e dois meses de prisão por agenciar pistoleiros para o crime. Já Hércules Agostinho foi condenado a 18 anos de prisão no dia 12 de dezembro de 2003. O ex-bicheiro João Arcanjo Ribeiro, que está preso no presídio federal em Campo Grande (MS), é apontado como o mandante do assassinato de Sávio Brandão. Arcanjo ainda não foi a julgamento pelo crime.

Condenações

Hércules cumpre pena de mais de 117 anos de prisão por vários crimes cometidos em Mato Grosso. Célio Alves foi condenado a 82 anos de prisão em regime fechado também por vários homicídios. Os dois ainda respondem na justiça por outros assassinatos.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO