22.06.2020 | 09h00


POLÍCIA / RELAÇÃO FATAL

Mulher mata marido com facada na barriga em MT e é presa em flagrante

J.C.M. foi detida e encaminhada à Delegacia de Polícia Civil, onde a ocorrência, inicialmente, foi registrada como lesão corporal, porém, como o marido morreu posteriormente, a acusada vai responder por crime de homicídio doloso


DA REDAÇÃO

Um desentendimento entre um casal terminou com o homem, E.P. N., 52 Anos, morto no Pronto-Socorro do Hospital Municipal de Cuiabá (PSHMC), durante a noite desse domingo (21), após ser esfaqueado pela esposa dentro de casa, no bairro São José, em Nobres (121 km da Capital).

Um amigo de E.P.N. o encaminhou ao Hospital Laura Vicuña, onde recebeu os primeiros atendimentos, foi sedado e, segundo boletim de ocorrência, encaminhado com o quadro clínico estável à unidade de saúde da Capital, mas devido à gravidade do ferimento não resistiu. 

O médico que atendeu E.P.N. no Laura Vicuña comunicou o fato à Polícia Militar (PM), que compareceu no hospital, porém, não conseguiu depoimento da vítima.

Os militares se deslocaram ao endereço do casal, onde encontraram a acusada, J. C. M., 34 anos. A mulher confessou a agressão, no entanto, alegou legítima defesa, já que segundo ela, o marido teria tentado agredi-la com um rastelo, momento em que teria se armado com a faca e atingido a vítima na região do abdômen.

A mulher disse que espancada frequentemente e que, na noite desse domingo, reagiu e acabou esfaqueando o marido. 

J.C.M. foi detida e encaminhada à Delegacia de Polícia Civil, onde a ocorrência, inicialmente, foi registrada como lesão corporal, porém, como o marido morreu posteriormente, a acusada vai responder por crime de homicídio doloso, quando o acusado age com a intenção de matar.

J.C.M. foi ouvida pelo delegado de plantão e mantida presa aguardando os procedimentos legais cabíveis ao caso.











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Reghis  22.06.20 11h28
Se fosse o contrário seria feminicídio, lei Maria da Penha, feministas de plantão com seus repetidos discursos e etc... Infelizmente foi mais uma morte, de um ser humano, indiferente do sexo. Qual será a lei aplicada neste caso? Certamente as leis do código penal. Porquê então uma lei específica e exclusiva para proteger as mulheres, se os crimes já estão previstos em nossas leis? Será que realmente somos todos iguais como diz a nossa constituição?

Responder

1
2
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO