23.12.2010 | 11h52


POLÍCIA

MP e CRM vão investigar denúncia da TV Globo sobre fraude em Cuiabá

DA REDAÇÃO

O Mnistério Público Estadual e o Conselho Regional de Medicina vão investigar a denúncia exibida pela Rede Globo, sobre o golpe das óticas em Cuiabá. Segundo a matéria, no golpe as empresas se transformaram em consultórios médicos e os axames são oferecidos por atendentes, bastando o cliente dizer que tem problemas de vista. 

A reportagem mostra, em uma das óticas da Capital, um vendedor dizendo que leva o cliente até o oftalmologista, que tem um consultório perto. Pela lei, as óticas são proibidas de fazer exames ou indicar médicos, mas um anúncio informa: "Faça sua consulta e confira!".

A produção do telejornal Bom dia Brasil entrou em contato com uma das empresas por telefone. Foi cobrado R$ 30,00. O produtor pagou, pegou o recibo e foi até a ótica. A vendedora o levou a um consultório do dono da ótica, Carlos Hirose.  Após o exame, o diagnóstico: o cliente vai precisar usar óculos.

Ao ser desmascarado, Hirose mostrou um diploma de optometrista de uma universidade de Santa Catarina e argumentou em seu favor. "Com certeza, uma pessoa de 43 anos já não enxergava para perto. Eu não sou nenhum charlatão, sou um profissional da área e já atuo há 12 anos", explicou.

Para o Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM-MT), a atitude de Hirose caracteriza exercício ilegal da medicina, previsto no Código Penal Brasileiro.

"Uma lei federal determina que o optometrista se restrinja a fazer lentes e não pode examinar ninguém nem indicar nenhum tipo de procedimento, muito menos uma lente de correção", destaca Arlan Azevedo, presidente do CRM.

Sobre o fato de ser o dono da ótica e ao mesmo tempo ter um consultório, Carlos Hirose se justificou. "Se comprar na minha loja fica muito fácil porque eu posso acompanhar o trabalho e regular os óculos do rosto", disse.

Para o Procon o tipo de atendimento fere o direito de livre escolha do consumidor. O Ministério Público de Mato Grosso e o Conselho Regional de Medicina disseram que vão investigar as denúncias.

"Um exame de oftalmologia não é apenas ir fazer óculos. A pessoa está verificando a saúde ocular e a saúde do seu organismo também. Ela pode ter um problema neurológico ou tumor cerebral, que são diagnosticados através dos olhos", ressalta Maria Regina Vieira, vice-presidente da Associação de Oftalmologia de Mato Grosso. (Com G1).

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO