19.02.2020 | 08h19


POLÍCIA / INIMIGO ÍNTIMO

Marido mata mulher a golpes de facão e enterra corpo no quintal de casa

Feminicida ligou para a mãe da vítima, após o crime, e disse que ela tinha ido embora viver com o ex-marido


DA REDAÇÃO

Homem confessa ter matado companheira e enterrado corpo no fundo do quintal 19 dias após o crime. Rane Kley matou Simone Ferreira, 42, a golpes de faca e facão após flagrar a mulher conversando com o ex-marido dela. O ex falava que se ela quisesse voltar para ele, a aceitaria.

Entretanto, após a discussão e o feminicídio, Rane Kley ligou para a mãe de Simone e disse que a vítima tinha ido embora. Inventou uma história rica em detalhes, para que a família não desconfiasse dele.

Chegou a dizer para a mãe da vítima que Simone tinha quebrado o chip do celular e disse que ligaria para ela só quando comprasse outro.

Reprodução

2b319580-a9bd-49b1-9490-29923eb122de.jpg

Rane Kley e Simone Ferreira

A mãe tentava falar com a filha desde o final de janeiro, mas o número dava como inexistente. Entretanto, acreditando que a filha poderia ter retornado para o ex-marido, que morava em outra cidade, aguardou. Na segunda-feira, acabou procurando a delegacia da Polícia Civil de Barra do Garças.

Imediatamente a polícia fez uma diligência até o Distrito do Paredão Grande, em General Carneiro, onde Simone vivia com Rane Kley. No primeiro momento, o feminicida negou o crime e relatou a mesma história contada para a mãe. Entretanto, ontem, durante novo depoimento, acabou confessando o crime e apontou onde estava o corpo.

Simone foi enterrada no fundo da casa onde o casal morava, em uma cova rasa.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO