10.10.2019 | 08h30


R$ 337 MILHÕES EM NOTAS FRIAS

Justiça mantém prisão de advogado apontado como líder de esquema

Anilton Gomes Rodrigues consta como sócio e contador das empresas que geraram cerca de 6 mil notas frias no esquema de sonegação fiscal.


DA REDAÇÃO

A Justiça manteve, em audiência de custódia, a prisão do advogado Anilton Gomes Rodrigues, que é apontado como líder de um esquema de emissão de notas frias, por meio de três empresas das quais ele figura como sócio de duas  e contador das três.

De acordo com a Defaz, cerca de 6 mil notas frias foram emitidas pelas empresas Rio Rancho Produtos do Agronegócio Ltda. e Mato Grosso Comércio e Serviços e a B. da S.. Guimarães Eireli. 

As notas frias de produtos inexistentes totalizaram o montante de R$ 337.337.930,11 milhões, “gerando um prejuízo alarmante ao Estado”.

Anilton e outras oito pessoas tiveram mandados de prisão e busca e apreensão cumpridos após a deflagração da Operação Fake Paper, da Delegacia Especializada em Crimes Fazendários (Defaz).

O grupo criminoso era formado por empresários, contadores e produtores rurais e foi identificado a partir do sistema de inteligência da Secretaria de Fazenda, tendo a confirmação dos crimes confessada por um dos produtores, posteriormente, o que gerou a operação.

Fake Paper

A Operação Fake Paper deu cumprimento a nove mandados de prisão e 16 de busca e apreensão.

Ainda conforme a Polícia Civil, as investigações apontam que a organização criminosa falsificava documentos e selos públicos para abertura de empresas de fachada, além de disponibilizar notas fiscais frias para utilização de produtores rurais e empresas nos crimes de sonegação fiscal. Além disso, o esquema possibilitou a prática de crimes não tributários, como a fraude a licitação, ou mesmo 'esquentar' mercadorias furtadas ou roubadas.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER