15.07.2010 | 16h50


POLÍCIA

Justiça autoriza quebra de sigilo telefônico de suspeitos de caso Eliza



A Justiça de Minas Gerais autorizou, nesta quinta-feira (15), a quebra de sigilo telefônico de cinco suspeitos de envolvimento no desaparecimento de Eliza Samudio. Devem ser quebrados os sigilos telefônicos de Marcos Aparecido dos Santos - o Bola, Elenilson Vitor da Silva, Wemerson Marques, Flávio Caetano Araújo e do menor, apreendido no Rio de Janeiro.

De acordo com a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), o pedido foi feito pela Polícia Civil.

O promotor Gustavo Fantini também entrou com um pedido de quebra do sigilo telefônico de cinco envolvidos no assassinato de Eliza, nesta quinta-feira. Segundo a assessoria de imprensa do MP, os pedidos são para quebra do sigilo do goleiro Bruno, da esposa do jogador, Dayane de Souza, de Luiz Henrique Ferreira Romão (conhecido como Macarrão), de Flávio Caetano Araújo e de Wemerson Marques.

A assessoria de imprensa do TJMG não soube informar se o pedido de quebra de sigilo telefônico do Ministério Público foi protocolado e aceito.

Investigações
Segundo o delegado Edson Moreira, um dos responsáveis pelas investigações sobre o desaparecimento de Eliza Samudio, em Minas Gerais, um novo passo para as investigações também pode ser o depoimento de uma faxineira que teria trabalhado no sítio do goleiro Bruno, em Esmeraldas (MG), após as denúncias do crime. Segundo o delegado, a mulher está sendo procurada.

Depoimento do menor
Ainda nesta quinta-feira, a polícia deve continuar a ouvir o adolescente que denunciou o assassinato de Eliza. Ele conversou com a delegada Ana Maria Santos por mais de sete horas, na quarta (14), no Centro de Internação Provisória (Ceip) do Bairro Horto, em Belo Horizonte.

Ele chegou a Minas na terça-feira (13) e já tinha sido ouvido pela polícia do Rio de Janeiro. No mesmo dia em que chegou, ele conversou com o promotor Leonardo Barreto Moreira Alves e com uma assistente social, no Fórum de Contagem.

Investigações
Nascida em Foz do Iguaçu (PR), Eliza Samudio se mudou para São Paulo e posteriormente para o Rio. Em 2009, teve um relacionamento com o goleiro Bruno. Ela engravidou e tentava provar, na Justiça, que teve um filho com o atleta. O bebê nasceu no início de 2010 e, agora, está com a mãe da jovem, em Mato Grosso do Sul.

A polícia mineira começou a investigar o sumiço de Eliza em 24 de junho, depois de receber denúncias de que uma mulher foi agredida e morta perto do sítio de Bruno, em Esmeraldas.

Em 6 de julho, um menor foi detido na casa do jogador, no Rio, e afirmou à polícia que Eliza está morta. Ele disse que viajou do Rio para Minas Gerais com Eliza e Macarrão. De acordo com o adolescente, os três foram para o sítio do goleiro. Depois, foram até outro local, onde um homem identificado como Neném estrangulou a jovem.

Oito pessoas foram presas em Minas Gerais, por suspeita de envolvimento no desaparecimento de Eliza. Todos negam o crime.

No Rio, o goleiro e Macarrão são investigados por suspeita de participação no sequestro da jovem Os dois também negam.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO