14.05.2019 | 13h30


EM CUIABÁ

Índios mantêm funcionários de Distrito Sanitário reféns; Rotam negocia

Indígenas exigem a saída do coordenador de saúde, Argon Norberto Hachmann.


DA REDAÇÃO

Funcionários do Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) estão sendo mantidos reféns, nesta terça-feira (14), no bairro Goiabeiras. A Polícia Militar foi acionada e deslocou uma equipe do Batalhão de Rondas Ostensivas Tático Móvel (Rotam) para o local, onde tenta negociar a liberação das vítimas.

Conforme informações, os indígenas exigem a saída do coordenador de saúde, Argon Norberto Hachmann.

Cerca de 50 indígenas de Juína e Brasnorte, da etnia Enawenê Nawê, estão com os servidores que foram proibidos de deixar a unidade.

Apesar dos fatos, não há ânimos exaltados e a situação é considerada tranquila, de acordo com a Polícia Militar.

Os Enawenê Nawê exigem conversar com Argon Noberto e só irão liberar os reféns nessa condição. O coordenandor estava em Santo Antônio do Leverger (36 km de Cuiabá) e está a caminho da Capital, para negociação.

A Polícia Federal foi chamada, uma equipe e dois delagados foram enviados ao local. A guarnição da PM permanece dando suporte.

Ao , a assessoria da PF informou que a ocupação é considerada pacífica e os índios não estão armados.

Irá ocorrer reunião entre o coodenador de saúde indígena e nove lideranças presentes no local.

O Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) é a unidade gestora descentralizada pertencente ao Subsistema de Atenção à Saúde Indígena (SasiSUS).  

É um modelo de organização de serviços, que desenvolve um conjunto de atividades técnicas, medidas racionalizadas e qualificadas de atenção à saúde e práticas sanitárias. Também são realizadas atividades administrativo-gerenciais necessárias à prestação da assistência com o controle social.

Leia mais:

Professor do IFMT alunos em sala após surto psicótico 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER