27.02.2020 | 14h45


POLÍCIA / INTOLERÂNCIA MÁXIMA

Homem leva tiro na cabeça ao cobrar dívida

Após brigar com ‘caloteiro’, M.C.P.A. deixou o estabelecimento em um carro de aplicativo, mas foi perseguido e baleado na Avenida Lions, bairro Setor C, em Alta Floresta


DA REDAÇÃO

Um homem de 28 anos, identificado pelas iniciais M.C.P.A., foi executado com um tiro na cabeça no início da madrugada dessa quarta-feira (26), após cobrar uma dívida em um bar e ser perseguido pela Avenida Lions, bairro Setor C, em Alta Floresta (803 km da Capital).

Uma equipe de resgate do Corpo de Bombeiros atendeu a ocorrência, prestou os primeiros socorros e encaminhou o homem ferido para o Hospital Municipal, onde deu entrada em estado grave, mas não resistiu e morreu.

De acordo com a ocorrência, M.C.P.A. encontrou o suposto devedor no bar, quando teria cobrado a dívida e iniciado uma confusão.

Após discutir, a vítima teria chamado o carro de aplicativo e deixado o estabelecimento, porém, o acusado teria perseguido o rapaz.

Segundo o depoimento do motorista, que testemunhou o homicídio, em determinado momento M.C.P.A. pediu para ele parar o carro, momento em que desceu para falar com o acusado e foi atingido por um tiro no lado direito do rosto.

Assustado, o motorista de aplicativo fugiu e acionou a Polícia Militar (PM), que realizaram buscas pela região, mas não encontraram o assassino.

Até a publicação desta reportagem o acusado não havia sido preso ou identificado.

A ocorrência, registrada por crime de homicídio doloso, foi encaminhada à Delegacia de Polícia Civil de Alta Floresta que segue investigando o caso.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO