27.06.2019 | 13h40


ANTIGO PASCOAL RAMOS

GCCO indicia ex-diretores da PCE por facilitar entrada de celulares; Veja vídeo

Eles vão responder por crimes de organização criminosa, corrupção passiva e por inserção de aparelhos celulares em uma unidade prisional.


DA REDAÇÃO

A Polícia Judiciária Civil, por meio do Grupo de Combate ao Crime Organizado (GCCO), indiciou o ex-diretor da Penitenciária Central do Estado (PCE) - antigo Presídio Pascoal Ramos- Revétrio Francisco da Costa, e o ex-subdiretor, Reginaldo Alves dos Santos, pelos crimes de organização criminosa, corrupção passiva e por inserção de aparelhos celulares na unidade prisional. Os dois são investigados na Operação Assepsia, deflagrada no dia 18 de maio.

Na operação foram cumpridos sete mandados de prisão, contra Revétrio e Reginaldo, os militares, tenente Cleber de Souza Ferreira, o subtenente Ricardo de Souza Cavalhaes de Oliveira e o cabo Denizel Moreira dos Santos Júnior, os presos líderes da facção do Comando Vermelho Paulo Cezar da Silva e Luciano Mariano da Silva. Os militares também foram indiciados pelos mesmo crimes.

A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) exonerou Revétrio Costa e Reginaldo Santos dos cargos de diretor e subdiretor da PCE, respectivamente.

Foi aberto um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD) contra os dois.

A Polícia Militar também instaurou um PAD para investigar a conduta dos militares.

Revétrio e Reginaldo estão detidos no Centro de Custódia da Capital (CCC). Já os tenentes estão no 3º Batalhão de Polícia Militar – mesmo local onde eram lotados. Já o subtenente Ricardo de Souza Carvalhaes e o cabo Denizel Moreira dos Santos Júnior foram levados no Batalhão de Operações Especiais (Bope).

Entenda o Caso

No dia 6 de junho, na Penitenciária Central do Estado (PCE), foram localizados 86 aparelhos celulares, dezenas de carregadores, chips e fones de ouvido.  Todo o material estava acondicionado dentro da porta de um freezer, que foi deixado naquela unidade para ser entregue a um dos presos.

Equipes da GCCO estiveram na PCE e verificaram que não havia nenhum registro de entrada ou mesmo informações acerca da entrega do referido eletrodoméstico.  Diante dos fatos e da inconsistência das informações, todos os agentes penitenciários presentes foram conduzidos até a Gerência e questionados sobre os fatos. No mesmo dia, a autoridade policial determinou a apreensão das imagens do circuito interno de monitoramento da unidade, que foram extraídas por meio da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec).

Com a ciência do diretor e do subdiretor da unidade, os militares enviaram o aparelho congelador que era destinado a um dos líderes de uma facção criminosa atuante no Estado.

Um vídeo gravado pelo circuito interno de câmeras da Penitenciária Central do Estado (PCE), antigo Pascoal Ramos, divulgada na última sexta-feira (21), mostra o momento em que os policiais, presos por facilitar a entrega de um freezer cheio de celulares na unidade prisional, entram na sala da diretoria para receberem instruções de como seria realizado o crime.

Veja o vídeo:

 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

LUIZ CARLOS NEVES  23.07.19 08h12
esses policiais junto com esses agente tem que ser exonerado,e pressos por ajudar essa facçao a comandar de dentro da cadeia

Responder

0
0
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO