12.02.2011 | 22h02


POLÍCIA

Galindo adia implantação do sistema em Cuiabá

ROBERTA DE CÁSSIA        09h51
DA REDAÇÃO

O prefeito Chico Galindo (PTB) voltou atrás na instalação dos radares eletrônicos a partir do mês de março. "Não vou deixar de atender outras prioridades, como a saúde e intensificar a arrecadação do IPTU, para instalar os radares", explicou ele.

O prefeito disse que, com essas prioridades, os radares não serão mais instalados no mês de março como estava previsto conforme anúncio feito em meados do ano passado. Mas afirmou que eles serão instalados no momento certo, sem definição de data. "Não irei deixar Cuiabá fora da modernidade. As grandes capitais do país e do mundo têm radares. No Brasil, só Cuiabá e Boa Vista, em Roraima, que não possuem o equipamento", disse Galindo.

A prefeitura, através da Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte Urbanos (SMTU), já levantou os pontos mais críticos no trânsito, que precisam de radar. Serão ao todo 40 pontos. As principais vias que contarão com o aparelho serão: Fernando Correia da Costa, Prainha, Rubens de Mendonça, Getúlio Vargas, Isaac Póvoas e Miguel Sutil.

Do contra

Em contato com o deputado estadual Sérgio Ricardo (PR) que sempre se posicionou contra a instalação dos radares, afirmando se tratar de uma "indústria da multa", (nos anos 90 a empresa que geria os equipamentos em Cuiabá ganhavam por produtividade), elogiou a decisão do prefeito.

"Acho que Galindo foi muito coerente e sensato, mas se retomar o assunto de instalar os radares manterei minha posição lutando para impedir que isso se concretize", completou Sérgio.

Com a modernização dos sistemas de radares eletrônicos, os contratos estabelecidos entre empresas e administração pública são de locação do equipamento em que o valor cobrado mensalmente pela operação e manutenção é fixo, independentemente da total arrecadado com as multas.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO