30.12.2010 | 08h02


POLÍCIA

Febraban culpa Segurança Pública em MT por arrombamentos de caixas

DIÁRIO DE CUIABÁ

A Federação Brasileira dos Bancos garante que oferece segurança para clientes e funcionários nas agências bancárias, mas que assaltos ocorridos com bandidos fortemente armados são de responsabilidade da segurança pública. A declaração é do diretor setorial de segurança bancária da Febraban, Pedro Oscar Viotto. Somente neste ano, 114 caixas-eletrônicos foram arrombados e 19 agências bancárias foram assaltadas em Mato Grosso.

"O investimento [dos bancos em segurança] é de R$ 8 bilhões ao ano. E essa segurança é adequada para proteção aos funcionários e clientes. Mas quando um bandido chega à agência segurando um fuzil e anuncia um assalto, a responsabilidade passa a ser do poder público", avaliou Viotto.

O representante da Federação dos Bancos foi um dos participantes da reunião do grupo de trabalho instituído pela Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso visando aprimorar ações voltadas para a segurança das instituições bancárias. Fazem parte do grupo representantes das polícias Civil, Militar e Federal, Febraban, Sindicato dos Bancários, Sejusp e outras instituições. Apesar de o grupo ter sido instituído em agosto deste ano, o primeiro encontro foi realizado ontem à tarde.

Após a reunião, a secretária-adjunta de Assuntos Estratégicos da Sejusp, Thaís Camarinho, disse que uma das providências para tentar conter a onda de assaltos no Estado será o trabalho em conjunto com o Poder Judiciário. "É preciso mais agilidade para julgar pedidos de prisões preventivas, temporárias e autorização para interceptação telefônica", disse.

Outra providência será aumentar os esforços na preservação dos locais dos crimes. "Os locais onde acontecem os assaltos têm sido violados, muitas vezes por populares, o que dificulta o trabalho de investigação da polícia, pois essa ação apaga os vestígios dos crimes", declarou.

Em relação às medidas preventivas, a secretária anunciou que Mato Grosso pretende assinar termo de cooperação técnica com a polícia de Goiás, Pará e Mato Grosso do Sul, por fazerem parte da fronteira com o Estado. Também está prevista a criação de um núcleo na área de inteligência para a troca de informações sobre criminosos que tenham ligação com crimes envolvendo instituições bancárias.

O presidente do Sindicato dos Bancários de Mato Grosso, Arilson da Silva, disse que é preciso criar medidas eficientes para combater os assaltos e que é preciso reforçar a segurança em todas as regiões. "O crime migra para onde está mais fácil", disse. 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO