09.01.2011 | 18h44


POLÍCIA

Em Cuiabá, “Beco da Lama” é cenário de sujeira e consumo de drogas

SANDRA CARVALHO         12h00
ESPECIAL PARA O REPORTERMT

O “Beco da Lama”, antiga rua do bairro do Porto, em Cuiabá, que já teve seu auge como região de prostíbulo, está tomado pelo lixo. O local que deveria ser um centro da cultura cuiabana por suas antigas edificações e valor histórico, mantém um aspecto degradante, de abandono e cenário do submundo das drogas e da sujeira.

O lixo se acumula pelas esquinas, jogado por alguns moradores e comerciantes sem nenhuma preocupação com a limpeza do local, higiene e questão ambiental. Pra completar, um “sucatão” acumula mais de três metros de altura de objetos que podem muito bem se transformar em criadouros do mosquito da dengue.

Com o serviço de coleta de lixo ineficiente, a situação se agrava. Dona Maria Catarina de Arruda, 53 anos, passa pelo beco todos os dias, a pé, a caminha do serviço. Doméstica, reclama da sujeira. “Quem joga lixo na rua com certeza não limpa sua própria casa”, diz a senhora, indignada com o que ela chama de falta de respeito de quem comete “este tipo de coisa”.

Foto: Sandra Carvalho

Sinais do consumo de drogas no Beco da Lama

 

Em meio a esta situação, vivem moradores tradicionais, trabalhadores, de boa índole, que se preocupam com a limpeza das ruas e fazem a sua parte de cidadãos.

 

O Bairro do Porto constitui-se em um dos pontos mais antigos de Cuiabá. O Porto de Cuiabá foi o destino e a partida dos bandeirantes paulistas e ali surgiram as primeiras pensões, hospedarias que acolhiam os exaustos viajantes e comerciantes. Nessa região residia parte significativa das famílias cuiabanas.

Suas ruas e praças recebiam todos os visitantes, viajantes, comerciantes e era ainda, palco de retretas, apresentações de bandas e de festas, por ocasião da chegada dos navios, ocorria à recepção daqueles que aportavam em Cuiabá.

Foto: Sandra Carvalho

Com o passar dos anos surgiram os “bordéis” e uma das ruas ganhou o apelido de Beco da Lama justamente pelo perfil.  Hoje a prostituição ainda é praticada, mas em menor escala, porém o local é ponto de consumo de drogas.

Foto: Sandra Carvalho











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO