17.05.2018 | 15h19


ROTA FINAL

Dono da Verde Transportes usou conta de mulher para movimentar R$ 1 milhão

Os agentes da delegacia destacaram que as movimentações na verdade foram feitas por Eder Pinheiro, dono da empresa, que estava com a conta bancária bloqueada por ordem judicial



A Delegacia Fazendária (Defaz) apontou que Alessandra Macedo Paiva, mulher do dono da Verde Transportes, Eder Pinheiro, movimentou R$ 1 milhão em sua conta bancária, entre dezembro da 2014 e maio de 2015.

As movimentações seriam “incompatíveis” com a declaração de renda de Alessandra, que é nutricionista.

A cliente Alessandra Macedo Paiva declarou renda de R$ 8,2 mil e atua como nutricionista. Neste período, movimentou 49 transações a crédito no valor total de R$ 503 mil e 369 transações a débito no valor total de R$ 513 mil. A crédito destaca-se 25 transferências interbancárias TED, totalizando R$ 459 mil, sendo as mais expressivas de Verde Transportes”, informou a instituição bancária, à Defaz.

Os agentes da delegacia destacaram que as movimentações na verdade foram feitas por Eder, que estava com a conta bancária bloqueada por ordem judicial.

O relatório conclui que tanto o Sr. Eder quanto a Sra. Alessandra apresentaram movimentação incompatível com as respectivas capacidades econômico-financeiras e, além disso, o fato de Eder utilizar da conta de esposa supostamente seria uma forma de burlar o bloqueio judicial imposto”, apontou a Defaz, em relatório.

Eder Pinheiro foi alvo da Operação Rota Final, deflagrada pela Defaz no final de abril. Ele foi preso, junto com o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Rodoviário e Passageiros do Estado de Mato Grosso (Setromat), Julio Cesar Sales Lima, e os funcionários da Verde Transportes, Max Willian de Barros Lima e Wagner Ávila do Nascimento.

As investigações apontam que Eder teria atuado para evitar a realização da licitação para concessão de linhas do transporte intermunicipal, no valor de R$ 11 bilhões.

Interceptações telefônicas feitas pela Defaz durante as investigações da Operação Rota Final flagraram o empresário oferecendo sua aeronave e um apartamento em Orlando, nos Estados Unidos, ao deputado estadual Pedro Satélite (PSD).

O telefonema do empresário ocorreu, na noite dia 16 de janeiro deste ano, em um período em que o parlamentar vivia um drama familiar com a filha menor de idade que, segundo denúncia, teria sido abusada sexualmente por um instrutor de academia.

Mostrando ainda mais intimidade, o empresário volta a insistir. “As vezes você quer ir para aquele apartamento meu lá em Orlando, nos Estados Unidos”, oferece. O deputado então responde: “Eu vou, eu vou”.

O diálogo chamou a atenção da Polícia Civil porque Pedro Satélite aparece nas investigações como integrante de uma organização criminosa que fraudava licitação no Sistema Intermunicipal de Transporte, inclusive, com suspeita de que os investigados fizeram depósito em dinheiro na conta de um dos filhos do parlamentar.

As investigação também mostraram que as empresas Viação Xavante e Verde Transportes pagavam propina a outras empresas em troca da desistência das mesmas nos processos licitatórios do Estado.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER