19.10.2010 | 11h16


POLÍCIA

DNA diz que filho de corretora assassinada não era de militar acusado

da redação

O resultado de um exame de DNA revelou que o soldado da Polícia Militar Claudenir Sales, suspeito de matar a corretora Ana Cristina Wommer, no mês de agosto, não é o pai do filho que ela esperava. O laudo foi encaminhado ao delegado que investiga o caso, Márcio Pieroni.

De acordo com o delegado, o exame preliminar mostrou que o feto não tem o mesmo perfil biológico do suspeito. O delegado afirma que isso não descarta a suspeita de envolvimento do soldado na morte de Ana Cristina. Ainda segundo Pieroni, o inquérito deve ser concluído ainda esta semana.

O corpo de Ana Cristina foi encontrado em um matagal na saída de Cuiabá no dia 24 de agosto. Ela era amante do policial militar e estava grávida de oito meses quando foi assassinada. Claudenir é o principal suspeito de ter cometido o crime.

Segundo a polícia, além de confirmar que no dia da morte de Ana eles teriam se encontrado, o policial militar vendeu o carro no mesmo dia do crime. O Instituto Médico Legal constatou que a morte da corretora Ana Cristina foi por asfixia, com sufocamento que resultou em hemorragia. Para o delegado Márcio Pieroni, esse resultado reforça a tese de que outra pessoa pode ter ajudado o policial. Com informações da TVCA.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO