29.09.2010 | 12h29


POLÍCIA

Direção do Goiabeiras Shopping é acusada de tentar abafar assassinato

ISA SOUSA
DA REDAÇÃO

O ex-segurança Ednaldo Belo foi o primeiro a ser ouvido nesta quarta-feira (29), no Tribunal do Júri, e confessou que Arnaldo Felício dos Santos, diretor do Goiabeiras Shopping Center, em Cuiabá, sabia que os seguranças tinham espancado o ambulante Reginaldo Donnan. Na época, segundo Belo, o diretor disse que era para os seguranças negarem, pois o shopping abafaria o caso.

Ednaldo Belo inocentou os companheiros de trabalho, Valdenor Moraes e Jorge Nery, de qualquer agressão contra Reginaldo Donnan. Ele afirmou que Nery cumpriu ordens e Valdenor pediu em, pelo menos, cinco vezes para Jefferson Medeiros parar de bater na vítima.

Depois de negar perante a Justiça de que teria agredido a vítima, Belo voltou atrás e, no depoimento de hoje, confessou o crime. Também admitiu que bateu em Reginaldo com chutes e acusou diretamente o colega Jefferson Medeiros.

"Dei dois chutes nas pernas dele. O Jefferson ficou desferindo golpes no rosto dele, deu chutes. Ele (Reginaldo) cuspia na parede, cuspia sangue", disse.

Belo também revelou que a história de que Reginaldo teria tentado matar os seguranças não passou de uma mentira.

"O estilete foi plantado. Eu vim aqui para falar a verdade", afirmou, no Tirbunal do Júri. Ele contou, ainda, que a ideia de jogar Reginaldo em um contêiner foi de Medeiros e que os dois policiais que atenderam a ocorrência permitiram.

Os quatro réus respondem por homicídio triplamente qualificado. Ednaldo Rodrigues Belo, Jorge Dourado Nery, Valdenor de Moraes e Jefferson Lima Medeiros são julgados desde ontem.

Outro lado

O superintendente do Goiabeiras Shopping, Adilson Marante, foi procurado pela reportagem, mas disse estar em reunião e afirmou que Arnaldo Felício dos Santos é dono do shopping e para procurá-lo.

Com informações de A Gazeta











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO