01.01.2020 | 10h10


POLÍCIA / RÉVEILLON SANGRENTO

Cunhados brigam em festa de família e um é esfaqueado no peito

Segundo familiares, o homem esfaqueou seu cunhado na região do tórax por motivo fútil. Ele fugiu, mas depois foi preso.


DA REDAÇÃO

Um homem, identificado pelas iniciais W.M.A., de 42 anos, foi preso, na noite de terça-feira (31), após esfaquear seu cunhado durante uma festa de Réveillon. O caso aconteceu no Loteamento Mirante do Parque, em Cuiabá.

Segundo a Polícia Militar, uma equipe foi acionada para atender uma discussão ocorrida durante uma confraternização de final de ano. No local, os policiais foram informados por familiares, de que o acusado, por motivo fútil, teria esfaqueado seu cunhado na região do tórax e depois fugido.

A vítima foi socorrida pelos familiares e encaminhada para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Pascoal Ramos. Aos policiais, a equipe médica disse que o homem teve uma perfuração torácica profunda. Ele passou por cirurgia e seu estado é estável.

Em diligências pela região, os policiais localizaram o acusado que foi encaminhado para Central de Flagrantes.

Outro caso

I.N.S., 43 anos, foi preso em flagrante por esfaquear o cunhado em Acorizal (70 km de Cuiabá). De acordo com o boletim de ocorrência, durante patrulhamento pela região da Comunidade de Campo Limpo, a policia foi acionada para atender um homem que teria sido esfaqueado durante uma discussão. Ao chegar ao local, a vítima já havia sido encaminhada ao Pronto-Socorro Municipal.

Em diligências, a PM localizou o acusado que confessou ter esfaqueado o cunhado no braço após um desentendimento. Leia mais











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO