04.06.2020 | 14h49


POLÍCIA / TRIBUNAL DO CRIME

Comando Vermelho tenta jogar homem com pés e mãos amarradas dentro de rio

A ‘vítima’ era mantida em um buraco e seria jogada na água. O crime seria uma forma de punir o rival que teria assediado a mãe de um dos membros da facção.



Um homem, de 29 anos, que era mantido em cárcere privado e torturado por uma associação criminosa foi resgatado pela Polícia Civil, na segunda-feira (01), em diligências realizadas pela equipe da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Primavera do Leste (231 km ao Sul de Cuiabá), Núcleo de Inteligência e Delegacia Municipal. A vítima era mantida em um buraco com os pés e as mãos amarrados e seria jogada no Rio das Mortes para se afogar.

De acordo com as investigações da Polícia Civil, sete pessoas participaram da tentativa de homicídio. Durante os trabalhos, dois dos envolvidos foram presos e um menor foi apreendido por participação na ação criminosa, além de ser realizada a apreensão de drogas, aparelhos eletrônicos e dinheiro.

As diligências, coordenadas pela delegada Anamaria Machado, iniciaram após as equipes da Polícia Civil receberem denúncias anônimas sobre o local em que a vítima estava. Segundo as informações, a vítima era torturada por membros da organização criminosa desde a noite de domingo (31) e seria morta afogada no Rio das Mortes.

Segundo as investigações, a vítima estava em uma casa ingerindo bebida alcoólica com uma mulher que começou a acusá-lo de assédio, fato que teria motivado o crime, uma vez que filho da mulher é integrante da facção criminosa e foi identificado com um dos envolvidos na tortura. A Polícia ainda investiga se a mulher teve participação na tentativa de homicídio e se também tem envolvimento com o grupo criminoso.

Quando os policiais chegaram ao local do cativeiro, a vítima estava em um buraco com os pés e as mãos amarradas, sem nenhuma condição de mobilidade, totalmente a mercê dos criminosos. Segundo a delegada, Anamaria Machado, o buraco foi tampado com uma manta utilizada para a cachorra da casa dormir. “Ele estava coberto como se tivesse enterrado”, disse a delegada.

O delegado regional de Primavera do Leste, Carlos Roberto Moreira de Oliveira, disse que a vítima não tem envolvimento com o mundo do crime.

“Fizemos o levantamento da vida pregressa dele e não encontramos, pelo menos, até o momento, nenhum envolvimento da vítima em ações criminosas”, destacou.

Ainda segundo o regional, a Polícia Civil de Primavera do leste tem trabalhado fortemente para impedir ações da organização criminosa no município, com destaque para a atuação voltada ao tráfico de drogas.

Exemplo deste combate aconteceu no mês de maio, quando a Polícia Civil fechou quatro bocas de fumo em Primavera do Leste. O trabalho coordenado pelo delegado regional Carlos Roberto Moreira de Oliveira, junto a delegada titular da Derf, Anamaria Machado resultou ainda em oito pessoas presas, além de apreensões de quantias significativas de drogas como cocaína e maconha, carros e motocicletas utilizadas para tráfico.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO