29.05.2020 | 14h55


POLÍCIA / ASSASSINADO POR ENGANO

Comando-geral afasta quatro PMs envolvidos na morte de soldado

PM e outros setores da instituição estão dando suporte financeiro à família do soldado Azevedo, além de assistência social e psicológica.



A Polícia Militar investiga as causas que culminaram na morte do soldado Ricardo Ferreira de Azevedo (36 anos), integrante da 21ª Companhia de Polícia Militar (21ª Cia Centro) de Cuiabá, na noite desta quinta-feira (28.05).

Os quatro policiais militares que formavam a equipe da Força Tática envolvidos no episódio foram afastados das atividades operacionais e a Corregedoria Geral da Polícia Militar já está apurando o fato, reunindo no procedimento investigatório depoimentos, perícia, fotos, vídeo, entre outros elementos.

O soldado Azevedo atuava no Serviço de Inteligência da 21ª Cia Centro e, portanto, não trabalhava ostensivamente com farda militar. Estava atuando no levantamento de informações sobre roubos, furtos, tráficos e uso de droga na região e já estava retornando do trabalho quando sua equipe foi auxiliar uma guarnição do Batalhão Rotam que procurava uma moto com ocupantes supostamente vinculados a crimes.

Ao chegarem ao posto de combustível que fica no cruzamento das avenidas Rubens de Mendonça (do CPA) e Mato Grosso, identificaram uma moto com as mesmas características da informada pela equipe da Rotam. No momento seguinte chegou ao local uma equipe da Força Tática que se deparou com a ação realizada pela equipe do soldado Azevedo que não identificou a equipe como policiais militares e efetuou o disparo que atingiu o soldado Azevedo.

Levado imediatamente para o Hospital Municipal de Cuiabá (HMC), o policial passou por uma cirurgia, porém, não resistiu e veio a falecer.

A PM esclarece que por se tratar de uma situação decorrente do exercício da atividade policial, com ambas as partes policiais militares, ou seja, de crime militar, a apuração ocorre no âmbito Polícia Judiciária Militar, por meio da Corregedoria.

Por determinação do Comando da Polícia Militar, a Coordenadoria de Assistência Social da PMMT (CAS) e outros setores da instituição militar estão dando suporte financeiro à família do soldado Azevedo nos trâmites do velório, sepultamento, além de assistência social e psicológica.

A PM lamenta o ocorrido e informa que o sepultamento, respeitando as restrições de não aglomeração e distanciamento social por riscos de contaminação pelo coronavírus, ocorrerá no final da tarde desta sexta-feira (29), no Cemitério Parque Bom de Cuiabá.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO