16.02.2011 | 14h19


POLÍCIA

Casal é indiciado por charlatanismo e curandeirismo em MT

MAYARA MICHELS 12h08
DA REDAÇÃO

O casal E.F.O., de 56 anos e a M.W.F, de 46 anos, está sendo investigado pela Polícia Civil de Campo Verde (131 km de Cuiabá), pelos crimes  de charlatanismo, curandeirismo, estelionato e exercício ilegal da medicina. Após dois boletins de ocorrências registrados denunciando o casal, policiais cumpriram ontem (15) mandado de busca e apreensão na residência do casal.

Dezenas de bilhetes com pedidos, cheques, notas promissórias, bebidas caseiras engarrafadas e remédios sem autorização da Vigilância Sanitária foram apreendidos no local. No fundo da residência que fica no bairro São Lourenço, é a sede de uma associação espirita, onde o E.F.O é o presidente do centro.

Segundo o Boletim de ocorrência, duas pessoas que se sentiram lesadas, procuraram o casal com o intuito de que eles cumprissem a promessa que "o grande amor da vida" deles iriam voltar. Na consulta, as duas pessoas tomaram uma bebida caseira, que assim que ingerida deu diarreia instantânea. Após dias, nada aconteceu e as duas pessoas resolveram procurar a polícia.

Uma das vítimas afirmou que pagou a vista R$ 600 e deu um cheque de R$ 600 para o próximo mês. Já a outra vítima entregou aos curandeiros um anel de ouro para afastar dela o ex-marido.

Segundo o delegado Fernando Vasco Spinelli Pigozzi, que responde pela Polícia Civil no município, o casal está há um ano cometendo esses crimes. "Os dois ainda comercializavam "remédios". Produziam bebidas caseiras, engarrafavam, e vendiam por R$ 100 reais o litro, dizendo que curavam várias doenças. Tudo foi apreendido", afirmou Vasco.

A polícia pede para que pessoas que foram vítimas do casal denunciem. O delegado quer ouvir todas as pessoas cujos nomes constam nos papéis encontrados na residência,assim  como donos de cheques e nomes que estão nos bilhetes com pedidos.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO