17.08.2010 | 15h05


Capital: PS é invadido por criminosos



Um grupo com pelo menos 8 criminosos invadiu o Pronto-Socorro de Cuiabá de madrugada para roubar os 2 caixas eletrônicos. Os 3 funcionários que foram mantidos reféns na primeira invasão, no dia 10 de maio, foram novamente rendidos. Desta vez, um deles conseguiu escapar e acionou a Polícia Militar, que chegou a tempo de prender 2 dos suspeitos.

O segundo ataque em menos de 3 meses deixou os funcionários apreensivos. Eles reclamam da falta de segurança que enfrentam diariamente, durante o trabalho. Este ano já são 43 roubos e tentativas de roubos destes equipamentos no Estado, contra 29 no ano passado.

Foram presos Fábio de Jesus Barbosa Júnior, 20, e Gilbert Costa Nascimento, 27. Eles estavam dentro de um veículo Santana, pertencente a Fábio. No carro foram encontradas algumas ferramentas. As outras, incluindo botijão de gás e tubos de oxigênio, foram deixadas pelo grupo no local onde estavam os 2 caixas dos banco Santander.

Segundo o coordenador administrativo do PS, Diógenes Laércio Ribeiro, alguns detalhes do crime levantam a hipótese de que os criminosos estavam escondidos no hospital há algum tempo, pois não foram vistos passando em nenhuma das entradas, tanto pela portaria da frente quanto pelo acesso do estacionamento dos fundos. Segundo funcionários que foram rendidos, os criminosos portando armas de fogo usavam uniformes brancos da unidade hospitalar e podiam se passar tranquilamente por servidores.

Para o coordenador, como não houve denúncia recente de invasão da lavanderia com furto de uniformes, a suspeita é que o crime tenha sido planejado com detalhes, incluindo a confecção das roupas.

A Polícia Militar chegou poucos minutos depois da 1h46, quando o funcionário que havia sido rendido escapou e conseguiu telefonar para o 190. Os 2 homens que estavam no veículo estacionado na rua lateral foram presos. Os demais desapareceram.

Segundo Ribeiro, a Polícia Militar fez uma varredura dentro da unidade, mas não localizou os outros 6 criminosos. Tanto que durante toda madrugada os funcionários ainda temiam que eles estivessem dentro do hospital.

São cerca de 1,5 mil funcionários, entre terceirizados e efetivos que trabalham no Pronto-Socorro de Cuiabá, tanto em regime de plantões como em horário comercial. O grande fluxo de pessoas dificulta a identificação, inclusive por parte dos seguranças privados da unidade, que tem como foco a proteção ao patrimônio, diz Ribeiro.












COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER