13.07.2010 | 13h27


POLÍCIA

Cães de suspeito de matar Eliza não passaram por exames

Glauco Araújo Do G1, em Belo Horizonte

Os cães recolhidos da casa do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos (conhecido também como Bola e Paulista), em Vespasiano (MG), na quarta-feira passada (7), ainda não passaram por exames de perícia.

"Estamos levantando se há possibilidade técnica de encontrar restos mortais humanos nos cães, para aí definir se faremos a perícia", disse a delegada Ana Maria dos Santos, nesta terça-feira (13). A delegada participa das investigações sobre o desaparecimento de Eliza, que não entra em contato com familiares e amigos desde o início de junho. A jovem é considerada morta pela polícia.

Segundo a polícia, Bola é suspeito de ter matado Eliza Samudio. Em depoimento, um adolescente que teria presenciado o assassinato disse que Bola jogou a mão da jovem para os cães, após matá-la por asfixia.

Os animais foram recolhidos da casa de Bola pela Vigilância Sanitária da Prefeitura de Vespasiano, e levados ao Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Belo Horizonte, a pedido a Polícia Civil. Os cães estão juntos em um canil, isolados da convivência com os demais animais do CCZ.

O órgão afirma que estão no canil oito animais da raça rottweiler, um sharpei e um vira-lata. Já policiais que estiveram na casa de Bola disseram que foram retirados do imóvel dez cães da raça rottweiler (sendo quatro adultos e seis filhotes) e um vira-lata.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO