21.02.2017 | 17h00


SEM CAIXA

Taques propõe pagar duodécimo atrasado a poderes em 2018

O presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (PSB), afirmou que vai se reunir com os chefes dos demais poderes após o Carnaval para apresentar uma proposta em conjunto.


DA REDAÇÃO

O governador Pedro Taques (PSDB) se reuniu nesta terça-feira (21) com o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), em mais uma rodada de discussão com os chefes dos poderes para tratar da quitação do duodécimo atrasado. A nova proposta de Taques é que o pagamento seja feito apenas em 2018.

“Hoje, Mato Grosso tem um déficit orçamentário de R$ 1,9 bilhão por ano e temos que encontrar uma saída. O governador está pedindo apoio de todos os poderes para que ajudem o Estado sair deste momento difícil em que as despesas estão aumentando mais do que as receitas”, declarou Botelho.

O deputado afirmou que vai se reunir com os chefes dos demais poderes após o Carnaval para apresentar uma proposta em conjunto.

“Vamos discutir e fazer uma contraproposta em busca de um entendimento entre todos”, disse Botelho.

A previsão era de que os poderes recebessem o duodécimo atrasado, em oito parcelas, a partir de abril. Proposta feita pelo próprio Executivo estadual no início do mês. “Somente a dívida com os poderes é em torno de R$ 500 milhões”, comentou o deputado.

Para Taques, o momento de crise financeira deve ser entendido por todos, para que o Estado encontre o equilíbrio e ajustes fiscais.

“Precisamos seguir juntos para tirar Mato Grosso dessa situação de desequilíbrio no fluxo de caixa. Somente juntos poderemos chegar à uma solução que garanta novos investimentos em saúde, em educação, em segurança, que é o que a população espera de nós, que somos servidores públicos", afirmou o governador.

“Hoje, Mato Grosso tem um déficit orçamentário de R$ 1,9 bilhão por ano e temos que encontrar uma saída. O governador está pedindo apoio de todos os poderes para que ajudem o Estado sair deste momento difícil em que as despesas estão aumentando mais do que as receitas”, declarou Botelho.

A rodada de conversas com os representantes dos Poderes Judiciário e Legislativo tem por objetivo manter o pagamento de dívidas e contratos em dia, sem que isso comprometa o pagamento do funcionalismo público. 

Na quarta-feira (22) o governador e sua equipe devem receber o chefe do Ministério Público de Mato Grosso, Paulo Prado. Na segunda-feira (20), a reunião foi com o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Rui Ramos.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Enquete

ABUSO DE AUTORIDADE

Você concorda com aprovação da Lei para punir juízes?

Concordo: MP e Juízes erram muito e prejudicam pessoas de bem

Não concordo. A aprovação da lei é que é um abuso

Bolsonaro deveria vetar a lei

Bolsonaro deve sancionar a lei

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER