24.03.2020 | 17h05


PODERES / VENDA DE SENTENÇAS

Empresário de MT é alvo da PF; advogado é preso

De acordo com as investigações, o produtor rural teria comprado o voto da desembargadora em um processo que tramita no Judiciário da Bahia.


DA REDAÇÃO

Um produtor rural mato-grossense e seu advogado foram alvos da quinta fase da operação Faroeste, deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta terça-feira (24).

A ação tem como objetivo desarticular um esquema ilícito de venda de decisões judiciais, por juízes e desembargadores do Poder Judiciário da Bahia. A nova etapa da operação foi desencadeada para cumprir determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que emitiu 11 mandados, sendo oito de buscas e apreensão nas cidades de Salvador (BA), Mata de São João (BA) e Rondonópolis. 

Três mandados de prisão temporária foram emitidos. Tmbém foram alvos a desembargadora Sandra Inês Moraes Rusciolelli Azevedo e o filha dela, Vasco Rusciolelli Azevedo. Eles ficarão presos por cinco dias.

De acordo com as investigações do Ministério Público Federal (MPF), o produtor rural Nelson Vigolo teria entregue R$ 250 mil ao advogado, que repassou o dinheiro para outro advogado em Rondonópolis que viajou até Salvador e levou a Vasco Rusciolelli dentro de um motel.

Posteriormente, o montante foi apreendido no apartamento da desembargadora.

Ainda conforme as investigações, o objetivo da entrega do dinheiro foi à compra do voto da desembargadora em um processo que tramita no Tribunal de Justiça da Bahia.

Segundo o ministro Og Fernandes, o esquema continuou mesmo após a deflagração da operação que resultou no afastamento e na prisão preventiva de desembargadores e juízes do TJBA. Ainda chamou atenção do ministro, que mesmo com a pandemia do coronavírus as tratativas do grupo continuaram. 

"Registre-se que essa atividade ilícita perdurou mesmo após a deflagração da Operação Faroeste, que resultou no afastamento e na prisão preventiva de desembargadores e juízes do TJBA, tendo sido realizada a entrega do dinheiro no dia 17/03/2020. Ou seja, nem com as investigações desnudando o suposto esquema criminoso no Oeste baiano, e com várias medidas cautelares em pleno vigor, os investigados cessaram o curso de suas ações antijurídicas. Por fim, chama a atenção o fato de ter a ação criminosa não ter se interrompido mesmo durante a pandemia de Coronavírus (COVID-19), quando há a recomendação de restringir-se a interação social. Tudo isso a corroborar a necessidade premente da aplicação das medidas cautelares pleiteadas no presente procedimento", destacou o ministro.

 

Leia mais

Operação nacional prende desembargadora e cumpre ordem de busca e apreensão em MT











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO