08.06.2017 | 19h00


PODERES / ESTRATÉGIA DE DEFESA

Silval desiste de audiência solicitada e promete confissões em julho

O advogado Délio Lins e Silva Júnior assumiu recentemente a causa e nega qualquer movimento para Silval fechar acordo de colaboração premiada com o Ministério Público.


DA REDAÇÃO

O novo advogado de defesa do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), Délio Lins e Silva Júnior protocolou na tarde desta quinta-feira (08), petição desistindo do interrogatório à juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Arruda. A oitiva na ação penal decorrente da Operação Sodoma estava agendada para dia 13 de junho. O pedido ainda será analisado pela magistrada.

“No depoimento de julho, ele vai falar de todos os fatos que tem conhecimento e são investigados”, declarou o criminalista.

Lins e Silva Júnior explicou ao que achou desnecessário este novo depoimento já que outra audiência está marcada para o dia 5 de julho. Este relativa à 4ª fase da Operação Sodoma.

“No depoimento de julho, ele vai falar de todos os fatos que tem conhecimento e são investigados”, declarou o criminalista.

O advogado ainda negou qualquer movimento para Silval fechar acordo de colaboração premiada com o Ministério Público. “Não tem delação. Foi apenas estratégia de defesa”, argumenta o advogado, que assumiu recentemente a causa.

Em abril, o ex-governador anunciou em uma carta, que passaria a colaborar com a Justiça, confessando crimes. Este ponto o advogado criminalista afirma que será mantido. “Silval vai fazer confissões daquilo que tem conhecimento”, garantiu.

A Sodoma investiga desvios de recursos públicos, fraudes em licitações e pagamento de propina durante a gestão Silval Barbosa (PMDB). De acordo com os indícios apurados pela Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Desfaz), em cinco fases da operação, o grupo chefiado pelo ex-governador desviou cerca de R$ 55 milhões. Os valores podem ser ainda maiores já que as investigações não foram encerradas. 

Sodoma

A primeira fase da Operação Sodoma foi deflagrada dia 17 de setembro de 2015. Com os depoimentos dos empresários Júlio Minoria (dono da Wentex), Willians Paulo Mischa (da Consignam) e João Batista Rosa (da Trator Partes), que se tornaram delatores do esquema, o Ministério Público Estadual (MPE) teve a confirmação do pagamento de valores para a organização e que os recursos ilícitos teriam sido direcionados para despesas da campanha do ex-governador e aliados, além de aquisição de bens para os membros do grupo.

João Batista confessou pagamento de R$ 2,5 milhões para o esquema e Mischa, repasse de R$ 17,5 milhões entre os anos de 2011 e 2014.  Na época foram presos o ex-governador Silval Barbosa e os ex-secretários da Casa Civil, Pedro Nada, e da Fazenda, Marcel de Curse.

Sodoma 4 

Nesta fase o alvo foi a compra irregular de um imóvel no Jardim Liberdade. O Estado pagou R$ 31,7 milhões pela desapropriação e 50% do dinheiro foi desviado para o grupo criminoso.

 

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO