20.09.2019 | 18h00


PROPINODUTO

Secretário de Silval ligou mais de 100 vezes para conselheiros do TCE

No relatório do Ministério Público Federal (MPF) consta a quebra de sigilo telefônico do ex-secretário, autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), em 2017. O período analisado foi de janeiro de 2013 a dezembro de 2014.


DA REDAÇÃO

O ex-secretário de Estado de Planejamento, antiga Seplan, Arnaldo Alves, que é acusado de pagar propina para conselheiros do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE), na gestão Silval Barbosa, fez nove ligações para o celular pessoal do conselheiro afastado Sérgio Ricardo, no dia 6 de maio de 2014.

Ele ainda fez 102 contatos telefônicos, sendo 79 chamadas e 23 mensagens de texto, para um celular institucional do TCE, no mesmo período.  No total, são 111 contatos realizados com membros do TCE.

RepórterMT/Reprodução

Ligações feitas para Sérgio Ricardo.

 

RepórterMT/Reprodução

chamadas dois.jpg

Ligações feita para telefone funcional do TCE

 

No relatório do Ministério Público Federal (MPF) consta a quebra de sigilo telefônico do ex-secretário, autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), em 2017. O período analisado foi de janeiro de 2013 a dezembro de 2014.

O MPF encaminhou os documentos ao relator do processo, ministro Raul Araújo. A ação apura um esquema de pagamentos ilícitos, no total de R$ 50 milhões, aos conselheiros Sérgio Ricardo, José Novelli, Valter Albano, Antônio Joaquim e Waldir Teis.

Os cinco estão afastados do cargo e, nesta semana, o vice-procurador-geral Luciano Mariz Maia deu parecer em que solicitou que seja mantida a suspensão de todos os réus do processo da Operação Malebolge, da Polícia Federal.

Em delação premiada, o ex-governador Silval Barbosa e o ex-secretário da Casa Civil Pedro Nadaf confirmaram que Arnaldo Alves era o homem de confiança do Governo e, por isso, levanta a suspeita de que os registros de ligações podem demonstrar indícios de irregularidades.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER