14.06.2017 | 14h00


"TIRO NO PÉ"

Secretário de Fazenda diz que aumentar impostos pode 'matar' o agronegócio

Gustavo Oliveira argumenta que o agronegócio é a base da economia de Mato Grosso e a medida pode afugentar os produtores.


DA REDAÇÃO

Apesar da atual crise que enfrente o Governo do Estado, o secretário de Fazenda, (Sefaz), Gustavo de Oliveira, argumenta que a possibilidade de aumentar impostos do agronegócio pode prejudicar ainda mais Mato Grosso, que tem sua economia concentrada na pecuária e agricultura.

“Não adianta você achar que ‘carregando’ com impostos vai resolver o problema do Estado, porque às vezes você aumentando imposto, você ‘mata’ um setor da economia que é produtivo e este setor pode acabar indo embora”, explicou o secretário.

Em entrevista ao programa de rário Primeira Página, na manhã desta quarta-feira (14), o secretário usou o exemplo de uma situação semelhante que pode ser considerada um "tiro no pé".

“Não adianta você achar que ‘carregando’ com impostos vai resolver o problema do Estado, porque às vezes você aumentando imposto, você ‘mata’ um setor da economia que é produtivo e este setor pode acabar indo embora”, explicou o secretário, citando o exemplo da importação de aeronaves no Estado, quando aumentaram de 4% para 17% o ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). Segundo ele, desde então nunca mais Mato Grosso importou aeronaves, já que compensa muito mais fazer a compra por outro Estado.

"Nos municípios que têm força no agro, o comércio e a economia flui muito mais”, defendeu Gustavo.

Gustavo ressaltou que o Estado segue a desoneração de impostos do agronegócio imposta pela União, que isenta alguns setores do pagamento de ICMS.

“Nós seguimos a desoneração indicada pelo Governo Federal, através da Lei Kandir [isenção do pagamento de ICMS sobre as exportações de produtos primários e semielaborados ou serviços], portanto o agro não paga pouco imposto”, disse o secretário durante entrevista.

Ele afirma que o setor precisa produzir muito para conseguir obter um recurso relevante e que o agronegócio movimenta a economia da região.

“É um setor que se produz muito e ganha pouco. E se você observar como é o desenvolvimento de municípios aonde o agro é pujante e outros que não têm força no agro, a diferença é enorme. Nos municípios que têm força no agro, o comércio e a economia flui muito mais”, defendeu Gustavo.

 











(4) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

zilbo  15.06.17 11h35
Negar a reposição dos servidores pode também matar os servidores, suas famílias, o comércio, e outras atividades mais e, então que redistribua um pouco menos para o agronegócio, onde os barões só enxergam os próprios umbigos.

Responder

0
0
Cpa  14.06.17 23h57
Secretário isso tem uma resposta para esse argumento fatura seu.o seguir agronegocio financiou seu GOVERNADOR.Simples.

Responder

0
0
alexandre  14.06.17 16h11
Isenção de 3,5 bilhoes ao Agronegócio mata as finanças do Estado de Mato Grosso, pagam somente 3% de impostos..

Responder

10
0
alexandre  14.06.17 14h38
O que não pode é isenção de 3,5 bilhoes pro agronegócio num orçamento de 18 bilhoes, já tiveram ajuda durante 20 anos, chega...

Responder

10
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO