26.03.2020 | 12h13


PODERES / PANDEMIA DE CORONAVÍRUS

Prefeito mantém medidas restritivas em Cuiabá após decreto do Estado

Emanuel Pinheiro afirma que respeita decisões do governo de Mato Grosso, mas no momento a garantia à vida é mais importante do que a questão econômica



Prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro mantém as medidas de restrição, com isolamento social, mesmo após novo decreto do governo do Estado que liberou o funcionamento de diversos estabelecimentos comerciais, inclusive shoppings, e determinou que permaneçam em casa apenas pessoas com mais de 60 anos e portadoras de comorbidades. 

O prefeito afirma que respeita as decisões do governo de Mato Grosso, mas que em meio a "tantas incertezas, há uma percepção unânime: é necessário agir". “Lidamos com uma questão global e os  modelos de gestão, obrigatoriamente, devem ser reavaliados. Não podemos ter como prioridade a economia. A prioridade é a vida. Sigo consciente de que meu embate é contra o novo coronavírus e continuarei nesse enfrentamento em defesa de cada cidadão cuiabano”.

Ele destaca que as ações já implementadas na Capital, por mais drásticas que possam parecer inicialmente, respaldam-se em protocolo da Organização Mundial da Saúde e diretrizes técnicas de especialistas, inclusive do Ministério da Saúde. Com monitoramento diário vigoram, nessa primeira fase, até 5 de abril, podendo ser prorrogadas. Somente após essa data e avaliado seus resultados iniciais é que serão estabelecidas novas medidas pela Prefeitura Municipal, principalmente em virtude  da espiral de crescimento da infecção que deverá ocorrer no mês de abril, conforme projeções do Ministério da Saúde. 

Para o prefeito, todas as decisões já efetivadas, objetivam o cuidado e a proteção da saúde e da vida das pessoas, especialmente com aqueles mais carentes e os que estão inseridos no grupo de risco.

“O vírus não circula. Quem circula são as pessoas. Por isso, cuidar da sua saúde, cuidar das pessoas é tão fundamental. Cuiabá não pode sucumbir.  Nesse momento não há atividade econômica que prevaleça à vida. A economia será recuperada, em um esforço conjunto, mas os munícipes merecem ações firmes e assertivas em defesa do cidadão. Primeiro cuidamos da população, depois recuperamos a economia.”

Por fim, o prefeito de Cuiabá conclama toda a sociedade e pede o apoio ao governo do Estado, Poder Judiciário, Poder Legislativo, ao Ministério Público e à Defensoria Pública, Associação Mato-grossense dos Municípios e demais instituições. 

“É fundamental a união de todos, em especial dos poderes e instituições, para essa cruzada contra a Covid-19 e em defesa da cidadania e da dignidade da pessoa humana".











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Rogério Andreatta  27.03.20 11h54
Uma vez que ñ está entrando dinheiro pra muita gente, tendo em vista, também, que muitos estão ficando desempregados, por conta da PROIBIÇÃO DE TRABALHAR (que, aliás, é inconstitucional), tenho uma sugestão pra deixar aqui. Vamos começar a mandar as contas pro Sr. prefeito. Energia, água, telefone, aluguel e, inclusive, IPTU, cujo carnê está sendo distribuído, isso tudo continua chegando. E sem nenhuma redução, em função do "embate" contra o Corona. Sequer desconto para pagamento à vista está previsto no imposto do município. Esperamos que a Prefeitura de Cuiabá seja solidária e nos ajude a pagar essas contas. Vamos encher o Palácio Alencastro de boletos. Quem sabe, assim, ele entenda do que se trata. Em tempo: vejam os números da Nota Informativa nº 20, divulgada ontem (26/03/20), pela Secretaria de Saúde de MT, e reflitam se há, realmente, motivo pra tudo isso.

Responder

1
0
Maria  26.03.20 12h29
Até que enfim uma pessoa com o cérebro intacto.

Responder

2
2
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO