25.05.2019 | 07h00


PREFEITOS E VEREADORES

Políticos mobilizam aprovação da PEC para estender mandatos em 2 anos

A medida também prevê que os mandatos dos senadores passem de 8 para 10 anos. A previsão é que a PEC seja votada esse ano.


DA REDAÇÃO

O presidente regional do PSD e atual chefe do Escritório de Representação de Mato Grosso (Ermat), Carlos Fávaro (PSD) afirmou que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 376), de 2009, que trata sobre o período de vigência de mandatos políticos e prevê prorrogar por dois anos as eleições do ano de 2020 tem grandes chances de ser aprovada pelo Congresso Nacional.

A proposta de autoria do deputado federal Rogério Peninha Mendonça (MDB/SC) recebeu parecer favorável da Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJC) e caso seja aprovada em Plenário os cargos municipais passam a ser disputados junto com os estaduais e federais.

"Há uma grande mobilização porque essa questão que está ligada diretamente à contenção de gastos, a respeito do dinheiro público, concentrando a eleição em uma vez só faz sentido para o momento que o Brasil vive hoje, portando há sim viabilidade do Congresso para votar essas medidas”, disse Fávaro.

“Conversei com o senador Wellington Fagundes [PR] e ele falou que está fazendo eco, sim. Teve encontro de prefeitos, vereadores aqui [em Brasília] e há uma grande mobilização porque essa questão que está ligada diretamente à contenção de gastos, a respeito do dinheiro público, concentrando a eleição em uma vez só faz sentido para o momento que o Brasil vive hoje, portando há sim viabilidade do Congresso para votar essas medidas”, disse o responsável pelas articulações do Governo de Mato Grosso em Brasília.

Como presidente do PSD, Fávaro defendeu que a PEC é uma ideia importante, mas ressaltou que o primeiro passo é prorrogar as eleições do ano que vem. Além do alinhamento dos pleitos, a medida aumenta de oito para 10 anos o mandato de senador, estabelece mandato de cinco anos para todos os cargos eletivos e põe fim à reeleição para prefeitos e governadores.

Em Cuiabá, o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), que pode ganhar mais dois anos de mandato, disse que se a proposta for aprovada aproveitaria o período para concluir uma dezena de grandes obras na Capital. Dentre elas, estaria o projeto de uma torre de contemplação de 150 metros, em cima do Morro da Luz, que não conseguiu fazer para comemorar os 300 anos da Capital do Estado.

“Gostaria de concluir dezenas de obras em Cuiabá e uma delas seria a Torre dos 300 anos. Só de cálculo estrutural e o túnel de vento são seis meses de projeto. Já foram três, temos mais três longos meses ainda. É uma torre de 150 metros que vai ficar lá no alto do Morro da Luz. Então dificilmente essa obra vai ser concluída até o final de 2020, mas vou trabalhar muito para entregá-la no meu mandato”, destacou Emanuel.

 

 

 











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Luciano Ferreira  25.05.19 09h14
O Povo não pode permitir essa manobra política, no estilo tapetão, para cancelar as Eleições Municipais. Essa PEC não poderá ser aprovada, pois as Eleições Municipais tem que ser individualizada para o povo poder separar e analisar melhor as propostas dos candidatos a Prefeito e Vereadores. Pois caso contrário os grandes "Barões da Política" irão fazer um grande "Blocão" pra impor o poder financeiro nas Eleições e muitos serão eleitos na onda de governadores e presidentes alinhados e não se terá praticamente nenhuma renovação política.

Responder

4
0
Joao Mariano  25.05.19 08h16
Porque 2 anos? Se podem ter 4?! So ir para reeleicao...se o povo assim quizer ....pelo voto popular e livre...eles retornam. Sem casuismo! Eleicoes ja! Vivemos em uma democracia.....njnguem pode assumir mandatos por nomeacao .

Responder

5
0
Matéria(s) relacionada(s):

Enquete

ABUSO DE AUTORIDADE

Você concorda com aprovação da Lei para punir juízes?

Concordo: MP e Juízes erram muito e prejudicam pessoas de bem

Não concordo. A aprovação da lei é que é um abuso

Bolsonaro deveria vetar a lei

Bolsonaro deve sancionar a lei

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER