17.01.2020 | 12h00


VAGA DE SELMA

Emanuel defende nome de Taques nas pesquisas para o Senado

"Apesar do Nilson Leitão ser o nome do PSDB, nos temos que avaliar", disse Emanuel Pinheiro durante o lançamento das máquinas do projeto Cuiabá Recicla, no Shopping Popular


RAUL BRADOCK

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), disse que vai se reunir com o ex-governador Pedro Taques (PSDB) para discutir sobre o cenário político para eleição suplementar ao Senado, na vaga da senadora Selma Arruda (Podemos) que teve o mandato cassado pela Justiça Eleitoral. O prefeito revelou que eles devem se reunir nesta sexta-feira (17) ou na próxima semana para discutir o assunto, quando voltar de viagem. A revelação foi feita durante lançamento das máquinas do projeto Cuiabá Recicla, no Shopping Popular, nesta sexta-feira (17).

Emanuel  defendeu que o nome do ex-governador esteja na pesquisa que será feita por um grupo de seis partidos para testar a popularidade de seus pretensos candidatos.

“Defendi que deveria se colocar o nome do ex-governador Pedro Taques, apesar de que o Nilson Leitão é o nome do PSDB. Mas acho que temos que avaliar, a partir do momento em que todos estão sentando à mesa, todos devem ser ouvidos. Mas, aí, acabou ficando o Nilson mesmo”, disse.

No entanto, o prefeito disse que o PSDB “bateu o martelo” e definiu que apresentará o ex-deputado federal Nilson Leitão, que ficou em quarto lugar na última eleição ao Senado.

“Defendi que deveria se colocar o nome do ex-governador Pedro Taques, apesar de que o Nilson Leitão é o nome do PSDB. Mas acho que temos que avaliar, a partir do momento em que todos estão sentando à mesa, todos devem ser ouvidos. Mas, aí, acabou ficando o Nilson mesmo”, disse.

Ao ser questionado se já havia conversado com Taques, Emanuel respondeu que tinha sido procurado pelo ex-governador e que ficou de discutir o assunto durante uma reunião.

“Ele me procurou e vamos conversar sobre o cenário. Se der tempo hoje ou quando voltar de viagem no final de semana”, comentou. Taques, em contato com o disse que apenas procurou o prefeito para tomar um vinho, de no máximo R$ 110, "nunca falei em candidatura", disse. 

Além de Leitão, na lista de possíveis candidatos ao Senado constam os nomes do ex-governador Júlio Campos (DEM); o deputado federal, Neri Geller (Progressista); o deputado estadual, Max Russi (PSB); e o vereador de Cuiabá, Jucá do Guaraná (Avante).

“O Neri Geller veio e pelo visto tem conversado com o Blairo [Maggi, ex-ministro da Agricultura]. Veio o Max Russi, o Nilson Leitão já ligou querendo participar também, porque sabe que todo o processo político em Mato Grosso, principalmente, em momentos de instabilidade institucional exige o protagonismo e a liderança da Capital do Estado”, explicou.

Protagonismo da baixada

O prefeito explicou que as discussões sobre a eleição começou no final do ano passado, após fazer uma visita junto com seu filho, deputado federal Emanuelzinho (PTB), a família Campos, em Várzea Grande.

Ele ressaltou que todas às vezes que Mato Grosso esteve em momentos instáveis sempre se convocou as lideranças políticas de Cuiabá e Várzea Grande que, segundo ele, tem mais experiência e maturidade.

“Só em Várzea Grande temos dois ex-governadores de uma mesma família, então sentimos convocados para unir Mato Grosso, para manter a paz social e política. Entendemos que se unir Cuiabá, Várzea Grade e a baixada cuiabana com reflexo para unir Mato Grosso, porque Cuiabá é a mãe de todos os municípios, então por isso é um movimento suprapartidário”, definiu.











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

neto  17.01.20 13h13
esse baixinho nao tem espelho em ccasa...

Responder

5
4
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO