09.02.2017 | 15h10


PODERES / SUSPEITO DE CORRUPÇÃO

MPE abre inquérito contra ex-diretor do Procon acusado de pedir propina

Promotor Roberto Turin denunciou Carlos Carvalho de dirigir alcoolizado e usar o cargo para captar clientes para seu escritório de advocacia


DA REDAÇÃO

O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou um inquérito civil público para apurar várias irregularidades que teriam sido cometidas pelo ex-diretor da Superintendência de Defesa do Consumidor (Procon) de Cuiabá, Carlos Rafael Demian Gomes de Carvalho. Se comprovadas as irregularidades, ele pode ser punido até com prisão.  

Segundo o MPE, Carvalho é acusado de fazer uso particular do automóvel do órgão, dirigir alcoolizado, usar o cargo para captação de clientela para seu escritório de advocacia, além de exigir pagamento de propina de empresários para não intensificar fiscalizações.

O ex-diretor, conforme a denúncia, teria exigido pagamento de propina sobre autuações feitas pelo Procon, e de determinar arquivamento de processos sem aplicação de penalidades por interesses pessoais.

O inquérito é assinado pelo promotor de Justiça Roberto Aparecido Turin, com data do dia 13 de janeiro.

Turin encaminhou um ofíco à Delegacia de Polícia Fazendária (Defaz) solicitando informações sobre as diligências realizadas, o andamento e a conclusão de inquérito policial aberto pela delegacia contra Carlos Rafael de Carvalho.

Também encaminhou ofício à Secretaria Municipal de Ordem Pública de Cuiabá, requisitando informações sobre possíveis sindicâncias ou processos administrativos instaurados contra o acusado.

Além disso, solicitou à Ouvidoria-Geral do Município informações sobre possíveis sindicâncias ou processos administrativos instaurados contra o ex-diretor.

Por fim, o promotor quer que o próprio Procon encaminhe a ficha funcional completa de Carlos Carvalho para uma análise mais detalhada por parte do Ministério Público.  

Carvalho atuou na administração passada e deixou o cargo como a indicação do novo chefe do Procon em Cuiabá, Gustavo Costa e Silva. 

Outro lado

À reportagem, Carlos Carvalho disse que já respondeu a uma sindicância interna e que tudo que envolvia seu nome foi arquivado.

Ele afirmou que as denúncias foram feitas por uma ex-servidora do Procon, já exonerada do cargo, que estaria descontente com ele, após a administração ter detectado que ela respondia um processo judicial.

Alegou que não foi notificado pelo MPE e que, assim que isso acontecer, ele vai dar os necessários esclarecimentos.

Leia mais: 

Procon quer saber por que filme nacional não está em cartaz em MT 

Procon questiona pedido de reajuste de 7,77% da CAB Cuiabá

MPE abre inquérito sobre a criação de 481 cargos na Câmara 

MPE investiga critérios de nomeação de concurso da Assembleia











(4) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Pablo  09.02.17 22h28
Pergunta para os servidores qual veículo ele adquiriu como diretor do Procon.

Responder

2
9
Professor  09.02.17 17h53
É esse aí e o Onofre que o senhor quer por lá no PROCON Estadual seu governador, o Onofre deve ser investigado também, empresas que patrocinaram seus programas são suspeitas, a casa caiu cambada!!!

Responder

10
7
Mteus  09.02.17 16h41
Esse aí Carlos Rafael,e o Nofre Junior é da equipe do Mauro Mendes e do Pedro Taques,Tem que deixar clora isso. Não tem nada haver com atual gestão do EP

Responder

10
7
antonio prado  09.02.17 16h31
ISSO QUE DÁ COLOCAR PARTICULAR PARA TOCAR UM ÓRGÃO TÃO IMPORTANTE. E APRESENTADOR DE TV TAMBÉM PODE MUITO BEM USAR A MÁQUINA PUBLICA EM BENEFICIO PROPRIO

Responder

11
8

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO