01.04.2020 | 14h18


PODERES / DEBATE NO UOL

Mauro fala em 'barrigas vazias' e lembra que MT não é SP

O governador de MT, Mauro Mendes, critcou os exageros nas cidades. "Aqui (Mato Grosso), cidades sem nenhum caso suspeito pararam tudo e sem a menor razão".


DA REDAÇÃO

Em debate por videoconferência, promovido pelo portal UOL com os governadores do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB) , o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM) criticou a demora na liberação de recursos e insumos, pelo Governo Federal, para ajudar o Estado no combate ao coronavírus e a falta de coordenação nacional nas medidas restritivas, o que segundo ele, causou isolamento desnecessário em algumas localidades.  O democrata também enfatizou sua preocupação sobre a insegurança que causa parte da população estar “de barriga vazia”.

“Existiu a descoordenação nacional em parâmetro daquilo que pode o que não pode fazer a partir de que momento do coronavírus em cada cidade. Aqui (Mato Grosso), cidades sem nenhum caso suspeito pararam tudo e sem a menor razão. Em decreto nós estabelecemos, seguindo as portarias do Ministério da Saúde, com base em conceitos de contaminação local quais são essas providências e sendo de transmissão comunitária que são de outro nível de providência. Mato Grosso tem 904 mil km² e cerca de 3 milhões de habitantes. Não posso dar o mesmo tratamento que São Paulo deu”, argumentou Mauro Mendes, pontuando que as medidas de isolamento mais severas têm que ocorrer com base em índice de contaminação e  aglomeração populacional.

“Vi vários gestores tomando decisões por pressão da mídia. Esse exagero foi por descoordenação. Todo mundo achou que a solução era parar tudo. Nós temos que cuidar para salvar vidas, mas não podemos arruinar a vida de milhões de brasileiros".

O governador ainda comentou que  o bombardeio de informações das mortes na Itália levou à certa perda da racionalidade e levou gestores a determinar o isolamento total sem necessidade.

“Vi vários gestores tomando decisões por pressão da mídia. Esse exagero foi por descoordenação. Todo mundo achou que a solução era parar tudo. Nós temos que cuidar para salvar vidas, mas não podemos arruinar a vida de milhões de brasileiros. A virtude, nesse momento, está no equilíbrio, em tomar decisões sensatas”, destacou.

Diferente do governador do Rio Grande do Sul que estendeu as medidas de isolamento, Mauro ponderou que é preciso avaliar o momento da epidemia em cada cidade para que o fechamento total ocorra antes do que o necessário e exemplificou que se um município  fecha tudo no primeiro caso constatado, não irá suportar as consequências econômicas e sociais quando houver 300 casos.

Sobre Mato Grosso ele ressaltou que  o governo tem recebido ajuda da iniciativa privada em doações de cestas básicas e insumos, mas demonstrou preocupação com a demora na liberação de recursos federais.

Reprodução

videoconferencia

 Mauro Mendes participou de vioconferência com governadores do Rio Grando do SUl e Espírito Santo.

“A iniciativa privada começa a se apresentar e com isso a gente quer dar resposta mais rápida. Tem gente parada há 10 dias e isso vai trazer grandes transtornos. Precisamos ser mais rápidos, porque com a barriga vazia não sabemos como vão se comportar”, comentou.

Mauro Mendes disse que até agora, o que chegou  a Mato Grosso foi pouco mais de R$ 6 milhões.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO