16.08.2019 | 06h30


VAI FAZER NOVA INDICAÇÃO

Mauro evita polêmica e diz que rejeição de advogado para diretor da Ager é problema dos deputados

O governador declarou que a decisão da Assembleia em reprovar o nome do advogado Emerson Almeida de Souza para o cargo foi uma interferência interna.


DA REDAÇÃO

Após ter o nome do advogado Emerson Almeida de Souza, para o cargo de diretor de transportes da Agência Nacional Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso (Ager), rejeitado pelos parlamentares da Assembleia Legislativa, em votação secreta na noite de quarta-feira (15), o governador Mauro Mendes (DEM) disse estar “confortável” e que poderá ainda fazer novas indicações.

O governador também afirmou que o posicionamento dos deputados trata-se de uma interferência interna, mas não deu detalhes sobre o motivo dessa interferência.

“O Governo está muito confortável com relação a isso, pois, não é um problema ligado a nós e, sim, entre deputados. Então para mim está tudo bem e podemos indicar outro nome”, declarou.

Mauro indicou os advogados Emerson Almeida de Souza e José Rodrigues Rocha Júnior para compor a diretoria da Ager. No entanto, os deputados decidiram, depois de uma sabatina, rejeitar o nome de Emerson e aprovar a indicação de José Rodrigues Rocha Júnior para diretor regulador de Ouvidoria da agência.

Os dois haviam sido indicados por Mauro Mendes e já tinham sido sabatinados pela Assembleia Legislativa no início de julho, mas a votação foi realizada somente na sessão vespertina de quarta.  Emerson Almeida, na sabatina, sofreu pressão dos deputados.

Foram 10 votos contra a indicação de Emerson e oito a favor. Já José Rodrigues recebeu 17 votos a favor e nenhum contra.

Com a aprovação da Assembleia, José Rodrigues Rocha Júnior deve ser nomeado nos próximos dias. Em relação a Emerson Almeida de Souza, caberá ao governador indicar outro nome para a vaga na Ager-MT que acabou não sendo preenchida.

Apesar de não estar acompanhando as tratativas para o “fechamento” do cargo, o chefe do Poder Executivo afirma que não se trata de um problema de relação para escolha dos novos membros da agência e sim de um problema “intra-corpus”.

“Olha, não acompanhei isso, mas isso foi um problema ‘intra-corpus’ da Assembleia Legislativa”, disparou.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER