11.07.2020 | 08h05


PODERES / CPI DO PALETÓ

Líder de Emanuel: Relatório que pede cassação será derrubado em Plenário

Por 2 x 1, os membros da comissão aprovaram o relatório que pede abertura de comissão processante e afastamento de 180 dias contra o prefeito Emanuel Pinheiro. Luis Cláudio alega que relatório não é técnico


DA REDAÇÃO

O líder do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) na Câmara de Cuiabá, Luís Cláudio (Progressista), disse que o relatório aprovado por maioria dos membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Paletó, que pede abertura de comissão processante de cassação e afastamento de 180 dias contra o prefeito, não foi técnico e que será derrubado durante votação no Plenário.

A CPI foi instaurada na Câmara para investigar o prefeito por suposta quebra de decoro e obstrução de justiça, após divulgação do vídeo que Emanuel aparece recebendo maços de dinheiro e colocando no paletó.

"Temos competência de julgar o prefeito, não o deputado. Tem quatro decisões judiciais que tentaram afastar o prefeito e não conseguiram e agora essa CPI vem com obstrução de justiça, achei sem fundamento, sem nexo e o plenário vai discutir, vai decidir o que é melhor para Cuiabá", disse líder do prefeito ao .

O dinheiro, segundo o ex-chefe de gabinete de Silval Barbosa, Sílvio Corrêa, seria propina paga pelo ex-governador Silval Barbosa aos parlamentares para obter apoio no Legislativo. À época o emedebista era deputado estadual.

Durante a votação que aconteceu na sexta-feira (10), por maioria, os membros aprovaram o relatório paralelo apresentado pelo sargento Joelson (Solidariedade) que pede a instauração da comissão, afastamento e encaminhamento do relatório para os Ministérios Públicos Estadual e Federal, Polícia Federal e Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra Administração Pública (Defaz) para abertura de processo para investigar os crimes de organização criminosa, concussão e atos de improbidade administrativa contra o prefeito.

O presidente da CPI, Marcelo Bussiki (DEM) seguiu o voto do relator. O único parecer contrário foi do relator da comissão Toninho de Souza (PSDB) que pedia o arquivamento do processo.

Sobre o crime de quebra de decoro, Luís Cláudio destacou que os vereadores não tem competência de julgar os atos cometidos por Emanuel antes do seu mandato de prefeito. Já sobre a acusação de obstrução à Justiça, o progressista disse que há processos contra Emanuel sobre a mesma acusação que foram arquivados.

"Temos competência de julgar o prefeito, não o deputado. Tem quatro decisões judiciais que tentaram afastar o prefeito e não conseguiram e agora essa CPI vem com obstrução de justiça, achei sem fundamento, sem nexo e o plenário vai discutir, vai decidir o que é melhor para Cuiabá", disse ao .

"Já apresentei inclusive na própria CPI uma decisão do Ministério Público Federal pedindo arquivamento de um processo de obstrução de Justiça do prefeito Emanuel Pinheiro. O próprio Ministério Público Federal pediu e eles nem consideraram o parecer e insistiram nessa tese de criar um fato político para poder estourar isso em benefício próprio", acrescentou comentando que a posição emitiu voto querendo mídia e holofote, principalmente no período próximo da eleição municipal.

Outro lado

 

Por meio da assessoria de imprensa, o prefeito afirmou que não irá se manifestar sobre o assunto.

Leia mais

Câmara aprova relatório para afastar Emanuel e cassar mandato











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Marcelo  11.07.20 11h14
Vereador Luís Cláudio....o Sr é mais um a ser lembrado pela população Cuiabana nas próximas eleições....mais um a ser “escorraçado” dessa CASA DOS HORRORES.

Responder

5
1
Marcelo  11.07.20 11h13
Vereador Luís Cláudio....o Sr é mais um a ser lembrado pela população Cuiabana nas próximas eleições....mais um a ser “escorraçado” dessa CASA DOS HORRORES.

Responder

4
1
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO