23.01.2017 | 11h19


CONJECTURA TUCANA

Leitão diz que Taques precisa melhorar para enfrentar adversários em reeleição

O presidente do PSDB comenta que o momento do Governo é de corrigir as falhas e que Taques só enfrenta reeleição se tiver boa aprovação


DA REDAÇÃO

O presidente regional do PSDB em Mato Grosso, deputado federal Nilson Leitão afirmou, na manhã desta segunda-feira (23), que o governador Pedro Taques (PSDB) só irá disputar a reeleição em 2018, caso corrija os erros de gestão e se mantenha “vivo” no comando do Governo do Estado.

“Se o Governo tiver fazendo o seu trabalho e ter uma aprovação boa, o grupo se manterá vivo”, explicou.

Em entrevista à Rádio Capital, Leitão observou que Taques precisa neste momento desempenhar o papel de governador, sem pensar na próxima corrida eleitoral.

“O Governo tem que ir bem [para disputar a eleição]. Precisa melhorar, fazer algumas correções para enfrentar os adversários com serviço prestado”, disse o tucano.  

Essas mudanças, segundo Leitão, são as chances de o governador se manter com chances de conquistar um novo mandato.

“Se o Governo tiver fazendo o seu trabalho e ter uma aprovação boa, o grupo se manterá vivo”, explicou.

Sobre a mudança no secretariado, antes predominantemente técnico, que passou a agregar agentes políticos, Leitão foi enfático: “Não adianta ficar dando espaço para partido ‘A' ou 'B’ porque se o Governo for mal, eles [os aliados] pulam do barco”.

“Quem tem que discutir 2018 hoje é a oposição. A situação tem que trabalhar para fazer um bom Governo”, afirmou Leitão.

O tucano citou como referência a eleição presidencial de 2014, quando o PSB - até então na base do PT - desistiu da aliança para lançar candidatura própria, inicialmente com Eduardo Campos (que morreu quando cumpria agenda de campanha, em acidente aéreo, em Santos-SP) e depois com Marina Silva.

“Quem tem que discutir 2018 hoje é a oposição. A situação tem que trabalhar para fazer um bom Governo”, afirmou Leitão.

Medidas impopulares

Há dois anos no cargo, o governador Pedro Taques pode enfrentar certa resistência devido ao pacote de medidas consideradas impopulares,q ue será encaminahdo nos próximos dias para votação na Assembleia Legislativa.

No domingo (22), o líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Dilmar Dal’Bosco (DEM), disse, em entrevista ao , que as propostas são mesmo consideradas impopulares, porém prioritárias para o Palácio Paiaguás, e devem ser aprovadas até março deste ano.

São medidas que, segundo ele, vão evitar que o Estado "quebre".

Entre elas, estão o teto para os gastos públicos, as reformas previdenciária, tributária e administrativa do Estado, além do corte de até 20% no número de cargos comissionados do Governo.

Dilmar Dal' Bosco afirmou que Taques quer evitar que Mato Grosso vire um “Rio de Janeiro”, que não consegue pagar nem os salários dos servidores (veja AQUI).

Leia mais:

'Se não houver limite nos gastos, Mato Grosso quebra', afirma Taques

Deputados garantem reajuste de R$ 46 milhões para a Assembleia em 2017

Fabris diz que Fávaro só deixará Secretaria do Meio Ambiente se quiser

Líder do Governo quer pressa nas reformas e nos cortes de gastos

 

 

 











(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Roberto A. de Souza  24.01.17 10h24
Abre o olho deputado o tempo que fica passando a mão com luva de pelica, vai cuidar da sua região que acaba de tomar outra surra, esse mandato de deputado logo acaba e pelo andar da carruagem voce e Pedro malvadeza não ganham nem para sindico.

Responder

2
0
alexandre  23.01.17 15h22
Pensa num governo queimado e ainda vai piorar..

Responder

12
1
alexandre  23.01.17 13h16
não recupera, vai enfrentar outra greve na metade do ano por causa do RGA, ele só paga para os Poderes que ganham bem..

Responder

14
1

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO