10.12.2019 | 17h00


PODERES / COMPRA DE VAGA NO TCE

Juiz diz que Sérgio Ricardo tenta atrapalhar processo com pedidos ‘inúteis e protelatórios’

O conselheiro afastado é acusado de comprar vaga na Corte de Contas por R$ 8 milhões. Outros sete são réus na mesma ação.


DA REDAÇÃO

O juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara de Ação Civil Pública e Popular, negou o pedido do conselheiro afastado Sérgio Ricardo para ouvir membros do Ministério Público Estadual (MPE) em processo que apura a compra de vaga do Tribunal de Contas do Estado (TCE) por R$ 8 milhões.

Ao negar o pedido, no último dia 6, o magistrado afirmou que Sérgio Ricardo insiste em diligências “inúteis e protelatórias”.

Sérgio Ricardo havia solicitado que o promotor de Justiça Marco Aurélio de Castro e a oficial de gabinete Luciana Cezar da Costa Rezende fossem obrigados a depor sobre “as irregularidades cometidas por membros do Ministério Público Estadual durante a tramitação do Inquérito Civil Público”.

Também pediu que fossem colhidos depoimentos dos procuradores de Justiça Mauro Viveiros e Luiz Alberto Esteves Escalope, para que seja prestadas informações sobre “o envolvimento dos promotores responsáveis pela investigação deste caso com o requerido Eder Moraes Dias no chamado escândalo das cartas de crédito”.

Por outro lado, o juiz Bruno D’Oliveira argumentou que não é necessário ouvis os membros do MP.

“Isso porque, as justificativas apresentadas referem-se a fatos que não são objeto de discussão nestes autos, tanto é que não compõem os pontos controvertidos fixados por ocasião da decisão saneadora. Em referida decisão, inclusive, restou anotado que tais fatos, são estranhos ao presente feito, e por isso não foram sequer conhecidos”, decidiu.

Também figuram como réus no processo os ex-governadores Silval Barbosa e Blairo Maggi (Progressista), o ex-conselheiro Humberto Bosaipo, o ex-deputado José Geraldo Riva, o ex-secretário Éder de Moraes Dias e o empresário Júnior Mendonça.

Na mesma decisão, o magistrado autorizou que fossem ouvidos, também a pedido de Sérgio Ricardo, o senador Wellington Fagundes (PL), o deputado Sebastião Rezende (PSC), o ex-prefeito de Cuiabá Freancisco Galindo, Marcelo Calvo Galindo, Moisés Braz de Proença e João Carlos Simoni.

O conselheiro afastado afirma que Wellinton Fagundes e Sebastião Rezende podem explicar sobre a “legalidade e moralidade do procedimento que resultou na sua indicação e posse ao cargo de Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso”.

 

A compra da vaga

Segundo o MPE, Sérgio Ricardo teria comprado, por R$ 8 milhões, a cadeira do conselheiro de Alencar Soares Filho. A movimentação foi feita, por meio, de um esquema de fraudes que usam recursos públicos, tendo como operador o empresário Júnior Mendonça.

É apontado o envolvimento de Éder Moraes e empresas prestadoras de serviço ao Estado de Mato Grosso, nas gestões Maggi e Silval.

Consta nos autos, que houve uma reunião, em 2009, entre as autoridades do alto escalão do Executivo, para tratar o preenchimento de duas vagas no TCE, sendo acordado que uma seria para Éder e outra para Ricardo.

Segundo o MP, testemunharam o acordo então governador Blairo Maggi, o vice-governador Silval Barbosa, o então presidente da Assembleia Legislativa, José Riva, o conselheiro do TCE, Humberto Bosaipo, além de Éder Moraes.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO