30.04.2017 | 11h20


PARA ARRECADAR

Estado monta núcleo de inteligência para apurar fraudes e descobrir sonegadores

Procurador Rogério Gallo explica que a intenção é intensificar a recuperação fiscal e tornar mais ágil a resolução de conflitos.



Oito dos 26 novos procuradores do Estado, que tomaram posse no último dia 25, vão atuar no Grupo de Inteligência e Recuperação Fiscal, da Subprocuradoria de Aquisições e Contratos e de um Núcleo de Conciliação, criado a partir da lei sancionada no mesmo dia, que como uma reformulação da Procuradoria Geral com foco no combate à sonegação e corrupção.

"O que temos feito desde o início do ano agora se transformará numa ação permanente, estrutural e definitiva”, ressalta Rogério Gallo.

De acordo com o procurador-geral do Estado, Rogério Gallo, a intenção é intensificar a recuperação fiscal e tornar mais ágil a resolução de conflitos.

“Governo sério é aquele que não teme controle. E a sanção desse projeto indica que não há receio por parte desse Governo, em ser controlado por uma carreira de Estado, como a PGE”, afirma Gallo.

Os procuradores deste novo grupo atuarão exclusivamente nessa área. Eles vão trabalhar para desbaratar fraudes fiscais, investigar patrimônios ocultos e descobrir empresas criadas em nome de laranjas. Este trabalho será feito em conjunto com o Poder Judiciário, Ministério Público e Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz-MT).

“Tão ruim quanto o dinheiro público mal empregado é o dinheiro não arrecadado por conta da sonegação fiscal. Ele desequilibra as contas públicas, prejudica o planejamento de políticas públicas e a livre concorrência entre os empresários. Os sonegadores não terão vida fácil. O que temos feito desde o início do ano agora se transformará numa ação permanente, estrutural e definitiva”, ressalta Rogério Gallo.

A Procuradoria Geral passará a atuar também em todos os contratos e convênios a serem firmados pela administração estadual. “Nossa carreira estará na primeira trincheira de combate à corrupção, que é no nascimento das contratações públicas. Nossa atuação nesse tema, por falta de pessoal, era meramente residual”, explica Gallo a respeito da criação Subprocuradoria de Aquisições e Contratos.

 

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO