27.03.2017 | 09h30


PODERES / R$ 85 MILHÕES EM CAIXA

Equipe de Emanuel contesta superávit divulgado por Mauro Mendes

Nesta segunda-feira (27), Emanuel deverá apresentar o balanço dos valores encontrados em caixa quando assumiu



A equipe do prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB) contestou os números divulgados pela gestão Mauro Mendes (PSB) de que o ex-prefeito teria deixado superávit orçamentário de R$ 85 milhões. Nesta segunda-feira (27), o peemedebista deverá apresentar o balanço dos valores encontrados em caixa quando assumiu.

A informação da gestão Mauro Mendes foi repassada durante audiência pública de apresentação do relatório de gestão fiscal referente ao 3º e último quadrimestre de 2016, realizada na última sexta-feira (24), na Câmara de Cuiabá.

Na ocasião, foi apresentado o equilíbrio das contas públicas deixadas por Mendes, que afirma ter deixado R$ 101 milhões no caixa da prefeitura. Isso significa que arrecadou mais do que empenhou despesas e cumpriu todos os limites constitucionais de gastos com saúde e educação, segundo o ex-contador geral do Município, Basílio Bezerra.

O relatório apontou que na Saúde foram investidos 29,66% do orçamento, enquanto a Educação recebeu 28,21%. O mínimo legal é de 15% e 25%, respectivamente.  Mendes investiu em 2016 aproximadamente R$ 40 milhões a mais do que foi investido até 2012, ano anterior ao que ele iniciou sua gestão.

“A prefeitura tem várias despesas continuadas, obrigatórias, que quando você inicia a gestão, eles estão lá. Então, normalmente, o primeiro mês de arrecadação é para cumprir obrigação do ano anterior, porém, Mendes permitiu ao novo prefeito começar o ano com dinheiro em caixa, pronto para trabalhar sem olhar para o passado”, disse Basílio.

“A prefeitura tem várias despesas continuadas, obrigatórias, que quando você inicia a gestão, eles estão lá. Então, normalmente, o primeiro mês de arrecadação é para cumprir obrigação do ano anterior, porém, Mendes permitiu ao novo prefeito começar o ano com dinheiro em caixa, pronto para trabalhar sem olhar para o passado”, disse Basílio.

Comparativo

Ele apresentou ainda um comparativo das finanças quando Mendes assumiu a gestão, em 2013, e a forma com que ele entregou no ano passado. Ele iniciou a administração com R$ 102 milhões de restos a pagar e R$ 43 milhões de recursos em caixa. Isso representou um déficit financeiro na ordem de R$ 152 milhões.

Por outro lado, Mendes deixou o município com R$ 69 milhões de restos a pagar, que representa um terço do valor de quando ele recebeu a prefeitura. Além disso, deixou R$ 101 milhões em caixa para o atual gestor. “Ou seja, um superávit de saldo financeiro de R$ 41 milhões, que é prova contundente da boa gestão”, reforçou.

Já a dívida de longo prazo representava 43% da Receita Corrente Liquida quando Mendes assumiu. Ele conseguiu reduzir esse percentual para 36%, mesmo absorvendo as dívidas da Sanecap, da ordem de R$ 121 milhões, além de R$ 65 milhões de atualização da divida da municipalização da água.

Mendes também deixou uma margem para novos empréstimos, na ordem de R$ 1,504 bilhão, que anualmente representa R$ 286 milhões. Além disso, a gestão manteve-se com 47,39% das despesas com pessoal. O percentual está abaixo dos limites previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal. “Conseguimos nos manter dentro da lei, proporcionando ao novo gestor margem para novas contratações e até realização de concursos”, afirmou.











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Teobaldo  27.03.17 20h49
Bobagem o que tem a ver esse disse me disse Se Mauro nao deixou ou deixou isso muda a saide a educacao a seguranca do municipio. E bobagem valores. Mauro deixa o que podia deixar cada um faz sua parte assim como Emanuel vai deixar. Noticia chata. E acho que tanto o Mauro cono o Emanuel largam de egos os dois.

Responder

2
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO