08.01.2020 | 18h55


DENUNCIAÇÃO CALUNIOSA

Emanuel vai processar servidora que inventou esquema com vereadores para cassar Abílio

A decisão de Emanuel Pinheiro ocorreu após informações de que a servidora teria admitido na Defaz ter participado de uma armação contra o prefeito


DA REDAÇÃO

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) estuda  com sua equipe jurídica a possibilidade de acionar criminalmente a servidora do Hospital Municipal São Benedito, Elizabete Maria de Almeida, que o acusou de comprar votos de parlamentares para cassar o mandato do vereador Abílio Júnior (PSC), alvo de um processo na Comissão de Ética  da Câmara de Cuiabá.

A reportagem apurou que a decisão de Emanuel ocorreu após informações de que a servidora teria admitido em depoimento na Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz), na manhã de terça-feira (07), ter participado de uma armação contra o prefeito.

Ela teria encontrado o vereador Abílio Júnior, opositor do emedebista, e advogados em um hotel um dia antes de realizar a denúncia contra Emanuel.

O advogado da servidora, Emerson Marques, confirmou o depoimento, mas não comentou sobre as declarações devido às investigações ocorrerem em sigilo.

Em novembro de 2019, Elizabete denunciou que a suposta compra de votos por parte de Emanuel teria ocorrido durante uma festa na casa do vereador Juca do Guaraná (Avante), no condomínio Belvedere, na Capital.

Ao , o vereador Abílio Júnior ressaltou o sigilo da investigação e questionou as declarações da servidora.

“Uma semana ela fala que estão armando contra mim, agora fala que esta armando contra o prefeito. Ela fala que tinha prova do negócio e ficou de entregar para a polícia e agora ela esta falando isso de mim? Com que prova? Esse negócio está muito bagunçado, não sei o que esta acontecendo”, disse.











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Ana Paula Camargo  09.01.20 10h41
Deveria ser exonerada, mas as nossa leis permite esse tipo de conduta.

Responder

2
0
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO