26.02.2020 | 08h00


PODERES / DISPUTA PELO SENADO

Emanuel aguarda decisão do MDB, mas prefere Júlio como candidato

Prefeito destacou a necessidade de ter um candidato representante da baixada cuiabana que, segundo ele, a Capital é capaz de abraçar os 141 municípios do Estado


DA REDAÇÃO

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro vai se reunir nos próximos dias com o cacique do MDB, deputado federal Carlos Bezerra, para tentar definir o posicionamento do partido na eleição suplementar ao Senado.

Emanuel comentou que se sente contemplado com o nome do ex-governador Júlio Campos, que teve pré-candidatura oficializada pelo Democratas, no entanto, ressaltou que quer dialogar com os emedebistas antes de anunciar seu posicionamento oficialmente.

“Particularmente me sentiria contemplado com o nome de Júlio Campos, baixada cuiabana e em nome de toda a unidade de Mato Grosso. Tenho que ouvir meu partido, quero conversar com Carlos Bezerra, com os deputados e com os companheiros porque quero o MDB nessa missão”, disse em entrevista com a imprensa na última semana.

“Particularmente me sentiria contemplado com o nome de Júlio Campos, baixada cuiabana e em nome de toda a unidade de Mato Grosso. Tenho que ouvir meu partido, quero conversar com Carlos Bezerra, com os deputados e com os companheiros porque quero o MDB nessa missão”, disse o prefeito.

O prefeito comentou também que aguarda um entendimento de um grupo formado por seis partidos, que tem seus pré-candidatos ao Senado. Ele cita que há pesquisas quantitativas internas que mostram o ex-governador na frente de outros pretensos postulantes.

Emanuel destacou a necessidade de ter um candidato representante da baixada cuiabana que, segundo ele, capaz de abraçar os 141 municípios do Estado

“Agora precisamos definir se vai esperar uma qualitativa, não sei se vai ter tempo, e quais serão os critérios daqui para frente que vai definir o nome desta frente, deste grupo, suprapartidário, que representa sentimento da baixada cuiabana para termos uma participação cada vez mais efetiva nos destinos de Mato Grosso, principalmente, no momento de muita turbulência política nacional. Mais do que nunca, Mato Grosso precisa da experiência, da união e da baixada cuiabana e da participação efetiva de suas lideranças porque só Cuiabá é capaz de abraçar os 141 municípios do Estado”, comentou.

Na semana passada, além do DEM, o PDT e o Podemos oficializaram seus pré-candidatos, o vice-governador Otaviano Pivetta e o deputado federal, José Medeiros, respectivamente.

Suprapartidário

Lideranças de seis partidos discutem nomes que possam representá-los na eleição suplementar ao Senado, na vaga da senadora Selma Arruda (Podemos) que teve o mandato cassado pela Justiça Eleitoral.

Representantes do DEM, Progressistas, MDB, PSB, PSL, Avante se reuniram na casa do prefeito Emanuel Pinheiro para discutir uma possível chapa. A intenção do grupo é realizar uma pesquisa em todo o Estado para saber quais nomes, de cada um dos partidos, tem força para disputar o pleito.

Os possíveis candidatos que deverão ser avaliação são: o ex-senador Júlio Campos (DEM); o deputado federal, Neri Geller (Progressista); o deputado estadual, Max Russi (PSB); o vereador de Cuiabá, Jucá do Guaraná (Avante); o ex-deputado federal e candidato derrotado na última eleição ao Senado, Nilson Leitão (PSDB); o presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga (PL).











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Yaponira Mendes  29.02.20 19h21
Nos tambem seus eleitores Emanuel, sentimos felizes com o seu apoio ao nome do Dr.Julio Campos, para a eleição suplementar do Senado Federal. Julio é cuiabano de raiz, preparado e merecedor do cargo. Vamos todos com JJC.

Responder

0
0
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO