28.01.2020 | 18h45


PROJETO POPULISTA

Dono da Havan detona proposta de Bezerra sobre licença menstruação

Essa é a segunda vez que o deputado tenta emplacar a proposta que possibilita à mulher se afastar do trabalho até três dias ao mês, durante o período de menstrual.


DA REDAÇÃO

O empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas de departamento Havan, usou suas redes sociais, nesta terça-feira (28), para criticar o projeto do deputado federal Carlos Bezerra (MDB) que permite à mulher se afastar do trabalho até três dias ao mês, durante o período menstrual.

Na postagem, o empresário, apoiador do governo Jair Bolsonaro, chama a proposta de populista e que ela atrasa o desenvolvimento econômico do país.

Os empregos no Brasil estão voltando a crescer e a economia a prosperar, leis como essas atrasam o desenvolvimento. Imaginem aqui na @havanoficial, onde 85% dos colaboradores são as competentes mulheres, ou seja, são 18.500 mulheres. Pense no impacto gigantesco que teria na produtividade se todas elas faltassem todos os meses?”, questionou o empresário na publicação no Instagram. Veja o post na íntegra abaixo.

A publicação, até o fechamento desta reportagem, tem mais de 17 mil curtidas e diversos comentários rechaçando a ideia.

O projeto de Lei (1143/2019) está em tramitação na Câmara Federal desde fevereiro de 2019. Veja aqui

A intenção do parlamentar é acrescentar um artigo à Consolidação das Leis do Trabalho para permitir à mulher o afastamento do trabalho por até três dias ao mês, durante o período menstrual. Ainda conforme a proposta, o empregador poderá exigir a compensação das horas não trabalhadas.

Na justificativa do projeto, Bezerra cita um estudo que aponta que 70% das mulheres tem queda de produtividade durante a menstruação.

Essa não é a primeira vez que Carlos Bezerra tenta emplacar a proposta. Em 2016, ele apresentou o projeto, mas ele foi arquivado dois anos depois.

Na época, a Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara acompanhou o parecer da deputada Keiko Ota que rejeitou a proposta. Segundo a deputada, a Lei nº 8.213/91 possibilita as mulheres se afastarem do trabalho para tratamento de doença, inclusive as relacionadas com o ciclo menstrual.

Com efeito, como entendeu a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, a condição associada às cólicas menstruais já parece estar refletida nas situações previstas da legislação atual. Apesar da maior flexibilidade proposta pelo Projeto de Lei nas relações entre trabalhadoras e empregados, que poderiam trazer ganhos econômicos para as empresas, as medidas propostas podem revelar-se pouco eficientes diante dos mecanismos atuais que permitem licenciamento”, diz trecho do voto da relatora.

Veja o post:

 











(5) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

elipe  30.01.20 13h07
O que esperar de um cidadão como esse? Político que não larga o osso. Está há décadas na politica e as coisas só pioraram a cada ano. Conteúdo, zero. Aliás, as coisas pioraram para os coitados dos trabalhadores, porque as finanças dessa clâ estão "de boa", faz tempo. Se os políticos parassem de "enriquecer" já estava de bom tamanho. Nem precisaria fazer projeto de lei desse tipo, populista.

Responder

0
0
Fenix  29.01.20 14h55
O TRABALHADOR BRASILEIRO FICOU CEGO PELA PROPRIA IGNORANCIA. VEJO HOJE MILHARES DE PESSOAS SOLIDARIAS AS PUBLICAÇOES DESSE SER QUE APARECEU DO NADA FAZENDO DISCURSOS CONTRA O TRABALHADOR E CONTRA O SOCIALISMO. O TRABALHADOR ESTA SENDO ENGODADO E QUANDO ACORDAR DESSA UTOPIA CRIADO PELOSAGA EMPRESARIOS, SERA TARDE DEMAIS, OS SEUS DIREITOS JA ESTARÃO EXTIRPADOS DA LEGISLAÇAO BRASILEIRA E TUDO EM NOME DE UM PRPGRESSO QUE BENEFICIA APENAS OS RICOS DA NAÇÃO. DIREITOS QUE CUSTOU O SANGUE DE MILHARES DE CIDADÃOS HJ ESTAO SENDO TRATADOS COM EMPECILHOS PRA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL. ENGRAÇADO QUE O QUE ATRAPAÇHA O DESENVOLVIMENTO DA NAÇÃO SÃO SOMENTE OS DIREITOS TRABAÇHISTAS, A PREVIDENCIA E AS EMPRESAS E INDUSTRIAS PERTENCENTE AO BRASIL. MAS POR TRAS DESSE DISCURSO VEMOS APENAS UMA FORMA DE TIRAR OS DIREITOS DO TRABALHADOR, RETIRAR O DEVER DO EMPRESARIO A CONTRIBUIR COM SUA COTA A PREVIDENCIA E PPR ULTIMO VENDER AS NOSSAS EMPRESAS PARA O CAPOTAL ESTRANGEIRO. ABRE OLHO POVO O DANO SOMENTE PODERA SER SENTIDO DAQUI A ALGUMAS DECADAS. VAMOS BOOCOTAF O DONO DA HAVAN E QUESTIONARDE ONDE ELE TIROU ESSA FORTUNA?

Responder

4
4
Bianca  29.01.20 13h15
kkkkk...ainda estava comentando essa semana com uma amiga, sobre essa lei, que deveria existir..kkk..que deveria sim, nos proporcionar ao menos o primeiro dia em que a mulher mestrua, o primeiro dia é o suficiente, não precisa ser 3 dias, A indisposição do 1º dia, é horrível, por conta da cólica. A vontade é de ficar em casa e deitada.

Responder

3
2
ademir  29.01.20 08h13
essa cabeçá oca não deve de ter oque fazer mesmo tantos projetos importante que precisamos ????

Responder

12
5
Leitor de notícias  29.01.20 08h12
Total apoio ao projeto, esses empresários só pensam em lucros, lucros e mais lucro não estão nem ai para o trabalhador, parabéns pelo projeto Deputado

Responder

6
17
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO