alexametrics
30.09.2017 | 10h46


PODERES / DESVIO DE R$ 9 MILHÕES

Desembargadores mantém no TJ investigação contra Romoaldo, Fabris e Savi

O processo está baseado na terceira denúncia relacionada à Operação Ventríloquo que apura desvio de R$ 9 milhões da Assembleia Legislativa na era Riva.



O Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) decidiu manter sob responsabilidade da Corte uma denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) contra três deputados estaduais por desvio de R$ 9 milhões da Assembleia Legislativa.

A decisão do Pleno do TJMT, que ocorreu na última quinta-feira (28), está baseada no processo da terceira denúncia relacionada à Operação Ventríloquo, que investiga os deputados Gilmar Fabris (PSD), Romoaldo Júnior (PMDB) e Mauro Savi (PSB) e outras nove pessoas.

De acordo com as investigações do Grupo de Atuação Especializada de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), nos anos de 2013 e 2014 os três deputados e comum acordo com o ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Riva, constituíram uma organização criminosa dentro do Poder Legislativo para roubar recursos públicos.

Os parlamentares contavam com o apoio de Luiz Marcio Bastos Pommot e Joaquim Fábio Mielli Camargo, Julio Cesar Domingues Rodrigues, Francisvaldo Mendes Pacheco, Flavio de Godoi, além de pessoas não identificadas para dividirem as tarefas e concluírem a ação criminosa.

O deputado Gilmar Fabris, por exemplo, é citado no processo com o beneficiário de R$ 95 mil. Ele teria usado a ex-assessora Ana Paula Ferrari Aguiar para ocultar a origem do dinheiro.

Foi também requerida a "condenação dos denunciados ao pagamento de indenização pelos prejuízos materiais sofridos pelo Erário Público, que importam no valor de R$9.480.547,69 (nove milhões, quatrocentos e oitenta mil e quinhentos e quarenta e sete reais e sessenta e nove centavos); além da condenação pelos danos morais coletivos sofridos pelo Estado de Mato Grosso e seus concidadãos, os quais foram indelevelmente atingidos em sua dignidade pelos atos criminosos perpetrados pelos ora denunciados, fixando-a no valor de R$10.000.000,00 (dez milhões de reais), cujo valor deverá ser investido em prol das áreas de saúde e educação". 

O julgamento foi estabelecido em uma exceção de incompetência suscitada pelo denunciado José Antonio Lopes.











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Dr Davi  30.09.17 16h59
Quebraram o Estado e agora querem aprovar Lei do Teto dos Gastos. Estado de Embromação!

Responder

0
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO

Bebe Prime