12.04.2017 | 17h00


GRÃO VIZIR

Defesa de Malouf tenta afastar juíza Selma do julgamento de empresário

O empresário que é apontado como um dos líderes de esquema de fraudes em licitações da Seduc, também foi alvo de investigação na Operação Sodoma.


DA REDAÇÃO

A defesa do empresário Alan Malouf, dono do Buffet Leila Malouf, apresentou pedido para afastar a juíza Selma Rosane Arruda, titular da Sétima Vara Criminal de Cuiabá do julgamento da ação impetrada na 3ª fase da Operação Rêmora. O pedido de “exceção de incompetência” foi feito no final de março e ainda não foi examinado pela magistrada.

Malouf utilizou como base para seu pedido uma ação em que também figura como réu e o engenheiro eletricista Edézio Ferreira da Silva, ambos denunciados em dezembro de 2016, na 3ª fase da Operação Rêmora, denominada "Grão Vizir", que apura suposto esquema que teria fraudado diversas licitações na Secretaria de Estado de Educação (Seduc).

Alan Malouf chegou a ser preso no dia 14 de dezembro, mas foi solto 10 dias depois, durante o plantão judiciário.

Outro lado 

A assessoria de imprensa do empresário explicou que o pedido da defesa não é para afastar a magistrada e sim para que seja definido se a ação irá tramitar na primeira ou segunda instância, caso a competência seja da segunda instância, o processo deve tramitar no Tribunal de Justiça.

Processo

O empresário também foi alvo de investigação na Operação Sodoma da Polícia Civil, pela suspeita de lavagem de dinheiro em favor do grupo político do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) em um esquema que teria desviado R$ 15,857 milhões dos cofres públicos por meio de fraude na desapropriação do bairro Jardim Liberdade.

O Ministério Público sustenta que o empresário tinha a função de formular e aprovar os métodos para desviar dinheiro público da Seduc, no período em que a pasta foi chefiada pelo ex-secretário Permínio Pinto (PSDB), também acusado de fazer parte da quadrilha.

 

 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Povo  14.04.17 17h37
Tudo combinadinho! Eceitadissimo! Assim passa para outra vara, é absolvidisdissimo e a atual fica isenta da pexa de proteção ao vizir! É bem Mato Grosso......pacu assado, manga madura no quintal.... É bem Mato Grosso.........

Responder

3
0

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER