15.07.2019 | 10h30


ESCANDÂLO DOS GRAMPOS

Cabo Gerson envolve promotores em proposta de delação e pode 'implodir' MP; veja nomes

Conforme apurou a reportagem, Gerson Corrêa deve detalhar como ocorreu a participação de membros do Ministério Público no esquema de escutas ilegais.


DA REDAÇÃO

O cabo da Polícia Militar Gerson Corrêa Júnior prestará novos depoimentos à Justiça na terça-feira (16) e quarta-feira (17), no processo militar que apura a participação de membros da corporação no caso das escutas telefônicas ilegais em Mato Grosso. 

A expectativa, segundo apurou o , é que o militar – réu confesso na ação – detalhe a participação de membros do Ministério Público Estadual (MPE) no esquema denominado “Grampolândia Pantaneira” e, com isso, colocar promotores e procuradores na mira do Judiciário.

O interrogatório acontece depois de vazar na imprensa que o cabo teve acordo de delação premiada negado pelo MPE mesmo depois que o coordenador do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco Criminal), procurador Domingos Sávio, afirmar que as denúncias repassadas por Gerson continham muitos detalhes, minúcias e “com um monte de provas”.

"Não irei me pronunciar nada antes disso. É só lá [na audiência] que vão acontecer as coisas. Todo mundo está falando aí, mas eu não vou falar nada”, resumiu o advogado.

Ao receber as informações, o procurador do Naco afirma não ter dúvida sobre as afirmações do policial militar, mas mesmo assim, Gerson teve o acordo negado.

Ao , o advogado do cabo declarou que só irá se pronunciar na audiência e disse que não pode adiantar nada sobre provas ou estratégia da defesa.

“Só falarei no dia da audiência do Gerson. Não irei me pronunciar nada antes disso. É só lá [na audiência] que vão acontecer as coisas. Todo mundo está falando aí, mas eu não vou falar nada”, resumiu o advogado do cabo, Neyman Monteiro.

Entretanto, em nota enviada a uma reportagem do site A Gazeta, no domingo, Neyman argumentou ser “estranho” a forma como o Ministério Público tem conduzido o assunto, “isso porque, a todo tempo que estivemos em tratativas, o representante do Naco se mostrou favorável e satisfeito com o material apresentado”.  Veja o caso aqui

Em seu depoimento ao Naco, o militar teria citado os nomes dos promotores Samuel Frungilo, promotor Marco Aurélio de Castro, além do ex-procurador-geral de Justiça Paulo Prado.











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Maria Auxiliadora   15.07.19 12h24
Paulo Prado, de novo???!!!! Para qq outro mortal que tivesse seu nome envolvido em negociatas como tem sido o procurador desde há muito tempo já teria perdido o cargo depois de aberto um pad. Mas, Paulo Prado, por algum motivo, é intocável.

Responder

0
0

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER