15.11.2019 | 11h00


ROMBO DA PREVIDÊNCIA

Botelho prevê aumento de impostos e atraso de salários em MT

O presidente da Assembleia, Eduardo Botelho defende a realização da reforma da Previdência estadual.


DA REDAÇÃO

Se a reforma da Previdência não for aplicada em Mato Grosso, o Estado corre o risco de aumento de impostos e o não pagamento de salário aos servidores públicos. Esse é o entendimento do presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (DEM), sobre o projeto que está sendo debatido no Conselho da Previdência.

A minuta do projeto foi apresentada pelo governador Mauro Mendes (DEM) aos membros do conselho que pediram vistas para estudar as mudanças que o Executivo pretende alterar nas regras para aposentadoria. O principal ponto da reforma prevê o aumento da alíquota de contribuição previdenciária dos servidores de 11% para 14%.

Segundo Botelho, a discussão sobre tema é importante devido ao impacto do rombo pode causar nos cofres públicos. O Estado estima nos próximos 10 anos um déficit, somente com previdência, em torno de R$ 30 bilhões.

“Se nós não fizermos a reforma da Previdência, em um determinado momento nós vamos ter que tomar uma decisão. Nós vamos paralisar as obras; não vamos fazer investimento. Vamos colocar todo o dinheiro para pagar a Previdência ou nós vamos criar um novo Fethab que ninguém vai aceitar pra cobrir esse rombo”, enfatizou.

Ele ainda destacou que caso nenhuma medida seja adotada, no futuro o governo e as prefeituras terão dificuldades para pagar salários e até mesmo os aposentados.

“Eu sou professor de matemática, engenheiro e eu tenho feito todas as estatísticas e não tem como. Se nós não fizermos isso agora, o futuro da Previdência estará ameaçado. Vai chegar um ponto que vai atrasar salário. Vai chegar o ponto que não vai ter dinheiro pra pagar os aposentados. Quem está entrando agora no serviço público vai ficar sem perspectiva, sem esperança nenhuma”, comentou.

Botelho evitou comentar sobre a proposta apresenta pelo governador, mas destacou a necessidade que ela seja encaminhada para discussões e modificações.

“Sobre a proposta, eu acho que tem que encaminhar e depois nós vamos fazer as modificações que entendemos ser necessárias aqui dentro. Então, não vou fazer juízo da PEC dele se é boa ou ruim; tem que mandar e aí nós vamos discutir aqui, talvez algumas modificações, mas eu acredito que tem condições de ser aprovada”, frisou.











(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

jaques  16.11.19 14h18
porque os trabalhadores da iniciativa privada tem que pagar por isso????

Responder

0
0
Alberto   15.11.19 11h35
A culpa disso tudo, deputado, também é de vocês deputados que cumprem mandatos de 4 anos e se aposentam com alto salários. Aí vem, militares, judiciário e outros privilegiados, mas a culpa é dos servidores do executivo

Responder

4
0
Adriana   15.11.19 11h16
Qual o rombo que causa as VI no Estado de MT ....vamos cortar as verbas indenizatórias primeiro ...aí se eu.rombo persistir ...corta os auxílios....tipo paletó..moradia ...creche ..etc....se persistir corta 50% dos incentivos a todos os megaempresarios ...que balela ....estão falando mentiras para o povo.

Responder

8
1
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO