14.07.2020 | 15h40


PODERES / 'COMETI ALGUNS ERROS'

Botelho está com 50% do pulmão comprometido: 'subestimei a doença'

Presidente da AL está internado numa unidade semi-intensiva do hospital Sírio Libanês, em São Paulo, e revela que saiu de Cuiabá com medo de precisar de UTI e não ter


DA REDAÇÃO

O presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (DEM), comentou sobre seu estado de saúde durante a sessão extraordinária desta terça-feira (14). Com respiração ofegante e tossindo muito, Botelho participou da sessão de forma remota e explicou que estava em uma unidade semi-intensiva do hospital Sírio Libanês, em São Paulo, e que não precisou ser intubado.

Botelho está com sintomas da covid-19 e aguarda resultado de exame de contraprova. 

Ele comentou que subestimou a doença e fez uma cronologia de quando percebeu que estava com sintomas. "Eu cometi alguns erros, subestimei a doença", disse.

RepórterMT/Reprodrução

Eduardo Botelho

Deputado participa de sessão do hospital em SP

O parlamentar contou que no dia 26 de junho fez um teste de covid e quatro dias depois começou a ter sintomas de sinusite. O resultado do exame deu negativo para a doença.

Uma semana depois, Botelho conta que começou a sentir um arrepio no corpo que, segundo ele, parecia uma corrente elétrica.

"Percebi que tinha algo errado, liguei para o doutor Carretoni e ele me disse que não era sinusite. Ele examinou e disse: 'olha você está com sintomas, seu pulmão está chiando um pouco, parecer ser covid', mas eu não acreditava. Ele recomendou que eu tomasse todo o medicamento e comecei a tomar, ivermectina, azitromicina todo aqueles kits durante cinco dias, mas eu não tinha sintomas nenhum, não tinha dificuldade para respirar, não sentia dor, não sentia nada apenas esse peso na cabeça", contou.

Após tomar o medicamento durante o período prescrito pelo médico, ele conta que realizou uma tomografia que constatou que 10% do seu pulmão estava comprometido.

No último final de semana, começou a ter febre e calafrios e ao realizar uma nova tomografia na segunda-feira (13), foi detectado que 50% do pulmão estava comprometido. 

"Nós ficamos na opção que poderia precisar de qualquer momento de UTI e como o sistema em Cuiabá estava totalmente colapsado, então houve aquela análise pode ser que não precisa e por ser que precisa a qualquer momento, então tomamos a decisão articulada pela deputada Janaina Riva para vir a São Paulo", explicou.











(5) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Maria De Lourdes   15.07.20 15h04
Pois é e os profissionais de Saúde que estão adoecendo e gastando absurdos com medicamentos vocês aumentaram a o desconto em nossas folhas de 11 pra 14%.abaixando nossos subsídios e plena Pandemia.nos agua de nas Urnas. É todos os servidores de todas as esferas ,todas as áreas e suas famílias THAU deputados.

Responder

1
0
Teka Almeida  15.07.20 08h32
Eu gostaria de saber onde esses políticos estão pegando o covid, pois desde que falaram da pandemia, todos os poderes estão fechados, mas estão recebendo seus respectivos salários e suas gordas verbas indenizatórias. Ah!!! é época dos conchavos políticos, a politicalha desavergonhada. Enquanto isso O Mauro MENTE tornou o Mato Grosso no epicentro do covid, somos a vergonha no Brasil todo e quem sabe agora até no exterior, não temos UTI, não temos medicamentos, não temos médicos, não temos saúde. Mas se tem pontes de concreto e preocupação para atacar os prefeitos. Enquanto isso a população padece, paga altos impostos mas não tem retorno, mas os políticos tem a sua disposição com nossos impostos tratamento de primeiro mundo. Eu tenho dó e só lamento é a perda do pai/mãe de família, dos nossos idosos que estão entregues a própria sorte.

Responder

9
0
Paulo Diogo   14.07.20 18h17
Deveria estar aqui no pronto-socorro municipal, como todos os cuiabanos..., Deveriam ser proibidos de usar hospital privado com dinheiro do povo. Mas enfim apesar de político e mais uma vida que fique se recupere.

Responder

16
0
Arianne Rosália de Oliveira Cruz  15.07.20 00h46
Concordo deveria ir p vg mesmo

Responder

3
0
Benedito costa  14.07.20 17h51
Quem tem grana vai onde quer e trata com quem quer. É direto dele, ninguém pode impor isso. Agora a.preocupaçao é se tudo isso está sendo ou não custeado pela assembléia. Visto que lá tem médico da própria instituição e os medicamentos já é de praxe entre os médicos receitar.

Responder

6
0
Maria Auxiliadora Cândida Souza  14.07.20 17h41
Ao funcionário publico com cargo eletivo, cujos salário e plano de saúde são pagos pelos contribuintes pobres e de classe media (os maiores pagadores de impostos do país) , desejo melhoras e pergunto: o que devemos fazer se formos infectados? A ALMT na pessoa da deputada Janaína Riva vai articular jatinhos e leito no Sirio para nos tratar? Voce mesmo afirmou que não há leitos em UTI. Porque raios ao invés de vcs deputados estarem cobrando do governador e prefeitos INVESTIMENTOS em leitos de UTI ficam maquinando formas de onerar ainda mais o já combalido salário dos servidores? E nao venham falar que emanuel esta "liberando" 10 leitos e o governador mais 10, quando a fila de espera tem o triplo disso e muitos doentes morrem por falta de tratamento adequado e em tempo!!! A guerra entre os comerciantes ávidos por dinheiro que consideram o cancelamento de CPFs é mal menor diante do perdimento de seus bens patrimoniais e os prefeitos está matando muitos dos que em vcs votaram. A AL de MT faz a egípcia diante das pressões da CDL e da FIEMT para não enfrentar seus financiadores de campanha e essa covardia dos deputados que não se manifestam contrários as pressões está matando e não é pouco. Uma vergonha que estejamos morrendo por falta de leitos de UTI enquanto o presidente da AL MT está internado no Sírio Libanês coordenando a votação para desfalcar mais ainda o salário do servidor público de MT. Felizmente o meu deputado não apoia essa covardia chamada reforma da previdência. Covarde sim, porque para resolver o problema de déficit com folha de pagamento e com a previdência é so não entupir os órgãos públicos de apadrinhados e de cabos eleitorais a cada 4 anos e reduzir as regalias dos cargos de livre nomeação.

Responder

26
0
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO