08.05.2019 | 08h30


GRAN VIZIR

Alan Malouf pode perder delação por suposta vingança em denúncias

As supostas retaliações seriam contra o ex-secretário de Segurança Pública, o advogado Fábio Galindo, a juíza aposentada Selma Arruda e o promotor de Justiça Marco Aurélio


DA REDAÇÃO

A linha do tempo dos fatos desencadeados pela delação do empresário Alan Malouf levanta a suspeita de uma manobra jurídica. Se confirmada a má-fé, o delator da Operação Gran Vizir pode perder a colaboração premiada, por ter mentido.

Ele realizou denúncias contra o ex-secretário de Segurança Pública, o advogado Fábio Galindo, a juíza aposentada Selma Arruda e o promotor de Justiça Marco Aurélio, que são apuradas como possíveis retaliações, na  intenção de mudar as circunstâncias que travavam a colaboração premiada.

De acordo com documentos obtidos pelo , o delator apresentou 14 volumes de documentos acusatórios ao Ministério Público Estadual (MPE), para deliberação de delação.

Os promotores de Justiça Marco Aurélio, Samuel Frungilo e Carlos Roberto Zarour argumentaram que quase toda a documentação apresentada por Malouf, com exceção do volume VIII, deveria ser avaliada pela Procuradoria-Geral da República. A medida se deu, em dezembro de 2016, devido o conteúdo envolver figuras de foro privilegiado no âmbito do Tribunal superior de Justiça (STJ).

Na análise dos membros do MPE, o único apenso analisado no Mato Grosso é repleto de omissões propositais em sua estrutura narrativa.

“Por ora, a base do relato contido no anexo VIII demonstra omissão, contradição e tentativa de atrapalhar a atividade investigativa na citada Operação Rêmora, em trâmite na Justiça Estadual de Mato Grosso”, deliberaram os promotores.

O empresário usou do recurso da “reserva mental” para tentar controlar a investigação, contrariando “prova obtida mediante árdua atividade investigativa”.

Na época, juíza da Sétima Vara Criminal, Selma Arruda (atualmente senadora), concordou com o Gaeco e negou a colaboração premiada e determinou a prisão preventiva de Alan Malouf, um dia após parecer do MPE.

Malouf se apresentou à Justiça, no dia 15 de dezembro, para cumprir o mandando de prisão cautelar. Na mesma data, ele apresentou diretamente ao então procurador geral da República, Rodrigo Janot, um pedido para anexar novo volume de denúncia.

A petição foi entregue diretamente ao cargo mais alto do Ministério Público devido, segundo o empresário, “a gravidade e peculiaridade do caso”.

O colaborar acusou, nos novos documentos, o advogado Fábio Galindo, a juíza Selma Arruda e o promotor de Justiça Marco Aurélio.

Os documentos relatam que Galindo teria oferecido seus trabalhos ao preço de R$ 3  milhões, com a garantia de blindagem.
Oferta teria se dado em encontro, numa chácara de um familiar de Fábio. Segundo acusação de Malouf, o advogado teria garantido proteção no Ministério Público (Marco Aurélio) e Judiciário (Selma Arruda).

Se for constatado que Malouf mentiu e agiu de má-fé, ele poderá perder seu acordo de colaboração premiada e responder pelo crime de denúncia caluniosa contra autoridades, o levando de volta para a cadeia.

 

Outro lado


A reportagem procurou a defesa do empresário Alan Malouf e ao , o advogado Huendel Rolim informou apenas que a defesa irá se manifestar nos autos do processo.

 

Delação

A Operação Rêmora levou para a cadeia agente spúblicos e empresários envolvidos em esquema de propina em licitações da Secretaria de Educação.

Alan Malou, preso na segunda fase da operação, a Gran Vizir, afirmou que foi coordenador financeiro da campanha do ex-governador Pedro Taques (PSDB), na qual houve esquema de caixa dois e que o esquema na Seduc foi feito para pagar contas de campanha.

Em seu depoimento, Malouf afirmou que Taques sabia do esquema. Ele também complicou o ex-deputado federal Nilson Leitão (PSDB), além do deputado estadual e hoje conselheiro do Tribunal de Contas, Guilherme Maluf. Todas as acusações foram negadas.

 

 

 

Leia mais:

Dono de Buffet Leila Malouf depõe em maio sobre desvios na Seduc 


STF homologa delação de Alan Mallouf e pode complicar Taques e Leitão
 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO