22.06.2019 | 07h55


JOSÉ DE PAIVA NETTO

Tudo é questão de mentalidade

A contagem cronológica de vida não define realmente se você é moço ou idoso.

Aprecio bastante um pensamento da famosa fotógrafa alemã, radicada nos Estados Unidos, Ruth Bernhard (1905-2006): “Devo morrer jovem, independentemente da idade em que esse evento ocorra”.
 
Essa reflexão vem ao encontro do que sempre digo aos moços das Instituições da Boa Vontade (IBVs)*, independentemente de quantos anos possuam: Jovem é aquele que mantém o ideal no Bem. Portanto, a contagem cronológica de vida não define realmente se você é moço ou idoso, apesar de alguns desafios naturais à idade. Existem jovens velhos e velhos jovens. Tudo é questão de mentalidade!
 
Por isso, quando falamos em moços na Seara da Boa Vontade, não levamos em conta seu tempo de existência. Referimo-nos, isto sim, a toda criatura que não perdeu o ideal fraterno. São todos aqueles que desejam progredir pelos caminhos da Paz, aqui na Terra ou já estando na Pátria da Verdade, afinal ninguém morre. Lá o progresso igualmente continua. Uma breve explicação: assinalei o substantivo “ideal” com o adjetivo “fraterno”, tendo em vista o fato de que há “ideais” que não devem ser seguidos, como os que exaltam a violência, a intolerância e o preconceito.
 
E, ao me dirigir àqueles que preferem as trilhas da concórdia neste mundo cheio de brutalidades, não faço alusão aos covardes nem aos ociosos, uma vez que procurar ser pacificador exige coragem, que o diga Gandhi (1869-1948).
 
Se há muitos jovens do corpo em nossa lide, e fico satisfeito com isso porque a cultura se prolonga por meio deles, há também muitos integrantes da Melhor Idade que são joviais no Espírito e bastante ativos. Ora, ora!
Destacados personagens da História fizeram revolução em idade avançada.
 
Recorro à Antologia da Boa Vontade (1955) para ilustrar, de forma categórica, meu ponto de vista sobre o real significado de juventude:
“Quem, durante a existência, soube cultivar, lado a lado, Espírito e corpo não pode e nem deve aos 60 anos julgar-se velho. Considere-se, por exemplo, que ‘Kant, o famoso filósofo, escreveu aos 74 anos a sua Antropologia, a sua Metafísica, a sua Ética; também aos 74, Tintoretto pintou uma tela de mais de 20 metros por quase 10, o célebre Paraíso; ainda aos 74, escreveu Verdi a sua ópera Otelo, aos 80, a sua obra-prima Falstaff e, aos 84, três imorredouras páginas religiosas: Ave-Maria, Stabat Mater e Te Deum; Catão, aos 80, começou a estudar grego;Lamarck, aos 78, publicou a História Natural dos Invertebrados; Goethe, só aos 80, completou sua obra-prima, o Fausto; Tennyson, aos 80, escrevia a sua célebre obra Crossing the Bar; Fontenelle, um dos enciclopedistas, dizia, aos 90, que nunca sentira a menor falha em sua memória ou em seu raciocínio; e o quadro histórico Batalha de Lepanto foi pintado por Ticiano, aos 88 anos de idade!’”
 
É bom refletirmos sobre isso.
 
José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor. paivanetto@lbv.org.br — www.boavontade.com
 

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
21.07.19 07h55 »  Os perfis de emprego
21.07.19 07h55 »  Um ano da Academia de Arquitetos e Urbanistas!
21.07.19 07h55 »  Processo de pejotização
21.07.19 07h55 »  Cadê a esquerda?
20.07.19 07h55 »  Suas antenas captam o longínquo
20.07.19 07h55 »  Energia Solar e o anseio por arrecadar
20.07.19 07h55 »  Generosidade
20.07.19 07h55 »  Usuário quer ônibus 100% com ar-condicionado
19.07.19 07h55 »  Indicação nota 10!
19.07.19 07h55 »  O Sol da Caridade, Jesus

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER