14.09.2019 | 07h55


GIANA BENATTO

Setembro Amarelo

Segundo o Fórum de Suicídio (suicide.org), inúmeros são os fatores que levam o idoso a cometer suicídio

Dia 10 de Setembro é reconhecido internacionalmente como o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, e no Brasil, desde 2015, foi criada pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), juntamente com o CFM - Conselho Federal de Medicina - e ABP - Associação Brasileira de Psiquiatria, a campanha, conhecida como “Setembro Amarelo”, cuja ideia é a de promover eventos para debates sobre suicídio e divulgar o tema alertando a população sobre a importância da discussão e desmistificação quanto a se falar sobre o tema.

Mas, o que tem a ver suicídio e idosos? Pode parecer incrível, mas de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), os idosos - idade superior a 60 anos - são o grupo populacional de maior risco para o suicídio. Apesar disto, este fenômeno não desperta a atenção devida das autoridades da área de saúde pública, de pesquisadores e da mídia. Normalmente percebemos que as campanhas e discussões sobre o tema costumam priorizar os grupos populacionais mais jovens. Atualmente no Brasil, cerca de 1.200 pessoas com 60 anos ou mais morrem a cada ano em decorrência de suicídio.

Segundo o Fórum de Suicídio (suicide.org), inúmeros são os fatores que levam o idoso a cometer suicídio - em primeiro lugar temos, em comum com todas as outras faixas etárias, a depressão. De acordo com as pesquisas a depressão tem como gatilho inúmeros fatores - de doenças físicas e mentais, abusos na infância, traumas por acidentes à sensação de não pertencimento ao mundo. Muitos casos estão relacionados ao fato de que o idoso acaba perdendo sua identidade ao ser 'obrigado' a sair de sua casa, do seu canto para morar com filhos ou em asilos ou ao fato de que quando a família vem morar com ele - dizendo que é para cuidar dele - incontáveis vezes tomam seu quarto e o relegam a aposentos menores ainda que dentro da sua própria residência.

Outros fatores também são citados, tais como: o peso da sobrecarga que ele representa para muitas famílias; empobrecimento do idoso após a aposentadoria; dependência química; perda de entes queridos e amigos. Além de que 75% dos suicidas manifestam sinais anteriores do desejo de por fim à vida. Estudos apontam que o inconformismo com a perda da mobilidade, de agilidade física e mental, agregada à invisibilidade que o idoso passa a perceber dentro de seu meio familiar e social, desencadeiam em muitos a vontade de antecipar o fim da vida e com isso, ao contrário dos jovens que em média faz vinte tentativas para um efeito, o suicídio, para o idoso, são quatro tentativas. Inúmeras vezes, não há tentativa, é definitivo. Embora os dados quantitativos sejam consideráveis, o que se verifica no Brasil é a pouca estrutura para atendimento desta demanda.

Especialistas criticam a falta de recursos e de capacitação profissional, bem como a inexistência de uma base nacional de dados sobre frequência e distribuição das tentativas de suicídio, que serviriam de fonte para gestores e trabalhadores do setor de saúde lidarem com o tema. Há que se fazer menção que algumas datas merecem mais atenção, como datas de aniversário de morte de alguém importante e datas comemorativas, como o Natal, Dias das Mães ou dos Pais. Quais seriam os principais comportamentos ou sinais de alerta a serem percebidos?

1. Desinteresse de atividades que costumava gostar.

2. Começar a descuidar da aparência sem motivo aparente (doença ou luto)

3. Isolamento

4. Alteração de humor constante

5. Falas sobre acabar com a vida, não querer viver mais, vontade de encontrar seus amigos e familiares já falecidos.

6. Uso de frases relacionadas à morte.

7. Abuso de drogas e álcool

8. Se sentir desesperançoso e se desfazendo de itens de grande apreço

9. Agir de forma imprudente Por outro lado, como ajudar?

1. Inicialmente, entenda como sérios os comentários dos idosos sobre o assunto

2. Converse com essa pessoa. Permita que a pessoa fale sem interrupções

3. Evite emitir julgamentos ou opiniões sobre o assunto. Esteja ali para escutar e não dar parecer sobre o sofrimento alheio

4. Use linguagem de encorajamento

5. Não faça você dramas com o idoso pela ideia, isso só aumenta a sensação de culpa e desespero nele

6. Evite deixar a pessoa sem assistência ou sozinho nos momentos de crise

7. Busque auxílio especializado - psicológico ou psiquiátrico.

8. Ligue para o CVV - Centro de Valorização da Vida - da sua cidade ou indique para que a pessoa ligue diretamente, pelo telefone 188, serviço gratuito

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
19.10.19 07h55 »  O fim do Estado
19.10.19 07h55 »  A fábrica
19.10.19 07h55 »  Dependência digital
19.10.19 07h55 »  Mão de obra já era!
18.10.19 07h55 »  Qual é a sua rota de fuga?
18.10.19 07h55 »  Quem faz o pão
18.10.19 07h55 »  Best-seller
18.10.19 07h55 »  Bom Sucesso
17.10.19 14h32 »  Exemplo de político municipalista
17.10.19 08h40 »  Nada de novo no front

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER