14.01.2020 | 08h38


OPINIÃO / KAMILA ARRUDA

Saúde Pública

O debate das políticas públicas na área da saúde precisa estar na boca do povo

Não é fácil discutir saúde pública. É um tema que, para ser debatido de forma séria e responsável, exige conhecimento e aprofundamento. As pessoas não se interessam pelas grandes pautas da saúde e, às vezes, desperdiçam tempo com novos tratamentos “milagrosos” e “da moda”.

Isto precisa mudar. O debate das políticas públicas na área da saúde precisa estar na boca do povo. A opinião pública precisa pautar o assunto e levar informação de qualidade à população.

A não ser em anos eleitorais, quando há solução para tudo, a saúde não ocupa as manchetes dos jornais nem é tema central das discussões. As decisões são tomadas com vieses ideológicos ou mercantilistas, sem a participação dos cidadãos nem dos médicos, que são aqueles que estão na linha de frente, atendendo os pacientes.

Frequentemente, temos a possibilidade de discutir grandes temas com autoridades na área da saúde, mas o debate não chega à população. Precisamos que as decisões saiam das salas de reuniões e cheguem à comunidade, que deve participar do processo decisório e, principalmente, ter conhecimento do impacto das políticas públicas na vida das pessoas.

Assim foi com a panaceia do Mais Médicos e dos Hospitais 100% SUS, que não conseguem manter as portas abertas por falta de recursos. Ou com a aprovação da Medida Provisória 890, que instituiu o Médicos pelo Brasil, cujo texto original foi deturpado no Congresso Nacional.

Também aconteceu com a qualidade da formação médica e a abertura indiscriminada de vagas e de faculdades de Medicina, temas debatidos à exaustão pelas entidades profissionais, mas que chegaram de forma tímida nas onipresentes redes sociais ou nos aplicativos de mensagens. Temos que repensar o debate da saúde pública no Brasil. Sobram meios, falta interesse.

Discutir saúde pública não é fácil, mas não a ponto de excluir a parte mais interessada em sua repercussão: a população. Com um pouco de esforço e aprofundamento, a sociedade pode e deve abraçar sua parte nesse debate que, afinal, pertence a todos.

KAMILA ARRUDA é jornalista em Cuiabá.

Os artigos assinados são de responsabilidade do autor, não apresentando, portanto, a opinião do site ReporterMT.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.


Confira também nesta seção:
12.07.20 07h55 »  Franquia na pandemia
12.07.20 07h55 »  Entre erros e acertos
12.07.20 07h55 »  Basta de juiz-Pilatos!
12.07.20 07h55 »  Páginas em Branco
11.07.20 07h55 »  Comer à noite engorda?
11.07.20 07h55 »  Quanto vale o seu trabalho?
11.07.20 07h55 »  A imprescindibilidade da cadeia de custódia na persecução penal
11.07.20 07h55 »  O que você quer?
10.07.20 08h11 »  Botox e o lifting de Nefertiti
10.07.20 08h09 »  Justiça de MT

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO